EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

9 de Dezembro de 2019

Invasão sobre bicicletas: 50 mil descem até Santos pedalando

Foi o 2° Pedal Anchieta, no qual ciclistas trafegam separados dos demais veículos e têm a Cidade como destino

Cerca de 50 mil ciclistas invadiram Santos neste domingo (1). Todos participaram da 2ª edição do Pedal Anchieta, o segundo maior evento do tipo no mundo – o primeiro é o Udine Pedala, na Itália, de acordo com o Guinness World Records, o Livro dos Recordes. 

Os participantes desceram a Serra rumo à Baixada Santista num trajeto que levou, em média, três horas. Eles começaram a chegar às 10h30 e trafegaram pela Cidade, indo, principalmente, para a praia. Antes, pararam para comer e beber – o que deixou contentes os comerciantes de vários locais, como o Valongo, primeiro ponto de encontro dos ciclistas.  

Água, cereais, banana e muita disposição. Essa foi a bagagem do operador de máquinas Valderi Cardoso, de 51 anos. Ele e mais 19 pessoas de Embu das Artes, na Região Metropolitana de São Paulo, encararam o desafio do Pedal Anchieta.  

No total, foram 110 quilômetros em mais de cinco horas de trajeto. “É muita gente descendo, então, o pessoal acaba se perdendo, mas a gente vai se encontrar na praia para recuperar a energia”, afirmou.  

A professora Lucineide Maria de Lima, de 43 anos, fez a prova pela primeira vez e foi sozinha. Ela mora em Itaquera, na Zona Leste da Capital, e levou cinco horas no percurso. 

“Fui convidada por um amigo no ano passado, mas eu não estava preparada. Não dá para pegar a bike e já descer. O trajeto é longo. Então, eu comecei a trabalhar de bike e fui praticando, porque são 14 quilômetros”, afirmou.  

O trajeto começou no km 9,7 da Via Anchieta e seguiu até o km 40, onde os ciclistas passam pela interligação até a Imigrantes. A descida da Serra foi feita pela Pista Sul da rodovia. Na altura do km 61, os participantes desviaram novamente para a Anchieta, onde terminaram o passeio até Santos percorrendo a Pista Norte.  

Os ciclistas circularam separados dos veículos em praticamente toda a extensão do trajeto. No trecho de Planalto, trafegaram pela pista central, enquanto os carros usaram a marginal. 

Na Serra, os ciclistas foram sozinhos pela pista descendente da Imigrantes e, no trecho da Baixada, utilizaram a pista central da Anchieta, enquanto os veículos prosseguiram trajeto pela marginal.  

Acidentes 

Mesmo com a segregação do tráfego, uma quantidade incerta de ciclistas caiu no caminho. Segundo o Samu de Santos, registraram-se 52 atendimentos – 37 casos de trauma e 15 problemas como hipotensão e desidratação.  

Esses acidentes foram observados durante o percurso, mas as pessoas decidiram ser atendidas em Santos. Nenhum caso foi considerado grave.  

“O evento, de modo geral, foi bem organizado, com vários banheiros e muita hidratação. Mas as pessoas abusam bastante”, disse a professora Lucineide Lima. Um grupo de 30 pessoas de Indaiatuba, no Interior, também flagrou acidentes. Para o bancário Gustavo Genari, de 30 anos, eles foram causados devido a imprudência.  

“Foram três horas e meia (de viagem), tiramos muitas fotos. Mas tem gente que abusa. Alguns são imprudentes mesmo. Mas valeu muito a pena o pedal e reunir todo mundo”.  

Contagem  

Organizador do Pedal Anchieta, o presidente do Instituto BRCiclos, André Tanque Pasqualini, espera conseguir fazer o registro oficial do número de participantes na edição do ano que vem. Caso tivesse sido possível confirmar a quantidade da edição deste ano, ela superaria a registrada na Itália – de quase 49 mil pessoas. 

Tudo sobre: