Tartaruga ameaçada de extinção é encontrada morta na Praia do Tombo

Registro foi feito por uma jornalista que foi até a praia para acompanhar o nascer do sol. A tartaruga-cabeçuda é uma espécie ameaçada de extinção atualmente

Por: Cássio Lyra  -  17/01/19  -  09:50
Tartaruga-cabeçuda é uma especial do animal que está em extinção atualmente
Tartaruga-cabeçuda é uma especial do animal que está em extinção atualmente   Foto: Rosa Maria da Costa/Arquivo pessoal

Uma tartaruga marinha foi encontrada morta na Praia do Tombo, em Guarujá, na manhã de terça-feira (15). A cena foi registrada pela jornalista Rosa Maria da Costa, que foi até a praia, por volta das 6h, e reparou o animal na faixa de areia. A tartaruga era da espécie Caretta caretta, popularmente conhecida como tartaruga-cabeçuda, ameaçada de extinção atualmente.


O animal era uma fêmea, jovem, mas sem idade confirmada, e pesava mais de 30 kg, segundo o Instituto Gremar. Tinha aproximadamente 73,3 cm de comprimento curvilíneo de carapaça e já estava em avançado estado de decomposição.


O Gremar, por meio da bióloga Rosane Farah, informou que, por conta das condições, a necropsia não irá conseguir apontar com precisão a causa da morte. No entando, é provável que a tartaruga tenha se alimentado de lixo e plásticos enquanto estava na água.


O biólogo que atendeu ao chamado, ainda na Praia do Tombo, disse que ela estava muito inchada, casco preservado e com cheiro um pouco forte.


Tristeza logo cedo


Biólogo fez análise da tartaruga ainda na Praia do Tombo
Biólogo fez análise da tartaruga ainda na Praia do Tombo   Foto: Rosa Maria da Costa/Arquivo pessoal

A jornalista Rosa Maria da Costa saiu de casa bem cedo para acompanhar o nascer do sol. Ainda da calçada, ela conseguiu avistar a tartaruga encalhada na faixa de areia. "Não entendi muito bem o que poderia ser. Tanto que corri logo para perto, porque achei que fosse uma pessoa. No momento, acredito que ninguém a tenha visto", conta.


Rosa Maria ligou para o Centro de Operações da Polícia Militar (COPOM) e, logo em seguida, entrou em contato com os profissionais do Instituto Gremar, que foram até o local para fazer a retirada da tartaruga da faixa de areia.


Por já estar em estado de decomposição, a tartaruga estava muito pesada, o que dificultou o transporte e retirada do animal. "Vieram alguns profissionais do Gremar para fazer uma análise de momento. Mas, a tartaruga era tão pesada que a viatura teve que ir até a faixa de areia para retirar e levar o animal para a instituição", finaliza.


Logo A Tribuna