Novo transporte público irrita usuários em Guarujá

Nem a gratuidade da passagem amenizou o descontentamento com os problemas no primeiro dia da nova concessionária

Por: Gabriel Oliveira & De A Tribuna On-line &  -  02/02/19  -  15:40
  Foto: Alexsander Ferraz / AT

O embarque gratuito nos ônibus de Guarujá não amenizou a revolta dos passageiros com os problemas encarados ontem, no primeiro dia da City no comando do transporte público municipal. Houve reclamações sobre as mudanças nas linhas, desinformação, veículos sujos e coletivo quebrado.


Quando o relógio marcou 0h, a City assumiu o transporte e, na madrugada, anunciou que o dia inicial de operação não teria cobrança da tarifa de R$ 3,20. Mas o pessoal queria saber mesmo era qualidade e se decepcionou.


No Terminal Ferry Boat, de manhã cedo, um grupo esperava os ônibus da linha 38 para ir trabalhar, a única opção após a extinção da linha 27. Só que nenhum coletivo apareceu para as viagens das 6h40 e 6h50. “A gente tem hora para entrar no trabalho”, disse a educadora Camila Rodrigues Marçal, de 35 anos, perto das 7 horas.


O segurança Fred Richard Hinniger, de 53 anos, desembarcou de uma condução com toalha e garrafa de água para enfrentar o calor. Ele pegou dois ônibus porque a única linha que lhe restou após as alterações demorou a passar no ponto. “O primeiro estava bom, era novo e com ar-condicionado. O segundo era usado e veio cheio, porque não tinha ônibus passando direto”.


Esperança


O auxiliar administrativo Jean Carlos Matos de Lima, de 35 anos, não conseguiu pegar o ônibus da linha 55, que estava cheio, e teve de usar três coletivos para chegar ao trabalho, mais de duas horas depois. “Tenho esperança de que vai melhorar, porque pior do que estava é difícil”.


A City diminuiu o número de linhas, de 36 para 26, das quais 15 são novas, deixando o público perdido. Muita gente precisou pegar pelo menos dois ônibus para fazer o percurso de um, em razão da extinção de linhas ou do alto tempo de espera nos pontos.


Na Rodoviária, a professora Wilma de Oliveira Gomes, de 67 anos, estava confusa e sem informações. “Entregaram panfleto com as linhas, mas as moças não sabem explicar. Eu quero ir para a Av. Oswaldo Cruz e não sei qual ônibus pegar”, disse, criticando o coletivo do qual desceu.“É uma carroça velha”.


Mau estado


Dos 125 veículos operacionais da City, somente 40 são novos, com ar-condicionado. Os outros 91, usados e com idade média de dez anos,vieram da Capital.


A Reportagem embarcou em um coletivo antigo, da linha 100, cheio de poeira e riscos nos vidros das portas. Em um ônibus novo da linha 3, em que a Reportagem embarcou, e que tinha assentos ainda cobertos por plástico,três goteiras caíam sobre as cadeiras.


Quebrado


No Terminal Vicente de Carvalho, um ônibus quebrou às 7h50 e, parado, impediu a entrada dos coletivos na estação. Até a hora que a Reportagem deixou o local, às 9h20, o veículo seguia por lá. “Tive de descer no meio da rua, com meio metro de altura do chão, sendo que no terminal ali tem uma elevação”, esbravejou o aposentado Aparecido Ivo Pereira dos Santos, de 65 anos.


Prefeitura vai cobrar melhorias e City promete ouvir a população


Após as diversas reclamações de usuários do transporte coletivo em relação ao primeiro dia de operação da City, a Prefeitura de Guarujá informou, por nota, que a empresa será cobrada para sanar problemas apontados pelos passageiros e constatados pela Reportagem.


A Administração Municipal diz estar acompanhando o início dos trabalhos da empresa e “atenta aos questionamentos e reclamações”. Nesse período de transição – a Translitoral operava o serviço há 18 anos e meio –, ajustes deverão ser feitos para aprimorar o sistema e melhorar o atendimento. 


Sobre a frota, a Prefeitura ressalta que, conforme cronograma apresentado pela empresa, até julho todos os ônibus seminovos serão substituídos por veículos 0km, como previsto no edital.


A City, por sua vez, destaca que “toda mudança, no começo, causa estranheza aos usuários acostumados com o sistema anterior”.


Por isso, a empresa manterá equipes nas ruas acompanhando a operação e corrigindo problemas pontuais que possam surgir. Ressalta também que “ajustes poderão ser feitos neste período de transição, ouvindo o munícipe, as sugestões e aprimorando ainda mais o modelo vigente”.


Por fim, a concessionária garante disponibilizar as informações de itinerários e programação horária das linhas no site www.citymais.com.br, além de manter uma linha gratuita de atendimento: 0800-7720800.


 


Logo A Tribuna