Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Médicos são qualificados para atuar na comunidade em Guarujá

Três profissionais selecionados para o Programa de Residência em Medicina da Família e Comunidade receberão especialização. Eles já estão atuando nas Unidades de Saúde da Família

Por: Por ATribuna.com.br  -  11/03/21  -  23:45
Profissionais se tornarão especialistas em Medicina da Família e Comunidade
Profissionais se tornarão especialistas em Medicina da Família e Comunidade   Foto: Pixabay

Três médicos selecionados para o Programa de Residência em Medicina da Família e Comunidade (PRMFC) foram recepcionados pelo prefeito Válter Suman, na manhã desta terça-feira (9), no Paço Moacir dos Santos Filho, em Guarujá. O programa é uma iniciativa do município, por meio da Secretaria de Saúde (Sesau), e com apoio da Universidade do Oeste Paulista (Unoeste), e consiste em especializar médicos já formados em Medicina da Família e Comunidade. Qualificação carente no Sistema Único de Saúde (SUS), é considerada como futuro do atendimento comunitário.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Após a conclusão do período de residência, os profissionais devem ser fixados nas equipes de Saúde da Família do Município. Neste momento, estão em atuação nas Unidades de Saúde da Família (Usafas) Jardim Las Palmas e Jardim Brasil, sendo orientados por dois preceptores.


“É uma especialidade que pode ser considerada o futuro no atendimento comunitário. Ter a possibilidade de cuidar de um número específico de famílias e conhecer todo o histórico de cada domicílio é fundamental para ofertar a melhor assistência para cada um. Sempre foi de vontade nossa ter esse programa no Município. Fico extremamente feliz com sua concretização. Boa sorte a todos”, declarou o prefeito Válter Suman no encontro, relembrando sua atuação em modelo semelhante.


“Nosso trabalho era extremamente mais bem sucedido quando conhecíamos por nome cada paciente e seus familiares. Apesar da saúde ser universal, cada pessoa tem sua particularidade, e esse relacionamento mais próximo nos permitia tomar decisões melhores na assistência de cada domicílio”, finalizou.


Processo seletivo


O processo seletivo foi aberto em novembro do ano passado, com intuito de selecionar quatro profissionais – resta uma vaga a ser preenchida. Para inscrição, os candidatos precisavam comprovar formação em medicina.


O programa tem duração de dois anos, teve início no dia 1 de março e oferece bolsa de R$ 9 mil mensais. Ele é gerenciado pelo Ministério da Educação (MEC), sob regimento da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).


Logo A Tribuna