Infraero já trabalha para tirar do papel o aeroporto de Guarujá

Empresa federal pretende encerrar as intervenções no aeroporto em outubro de 2021, para posterior liberação de voos comerciais

A Infraero, empresa federal responsável pela gestão do Aeroporto de Guarujá, localizado na Base Aérea de Santos, no Distrito de Vicente de Carvalho, trabalha no local desde junho e prevê a conclusão das obras em outubro de 2021. Contudo, a liberação para a operação de voos comerciais ainda dependerá de uma posterior vistoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços! 

Entre os trabalhos já realizados e informados pela Infraero para ATribuna.com.br, são destacados os projetos de engenharia e as ações para obtenção do licenciamento ambiental, cumprindo as exigências da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). 

Ainda de acordo com a Infraero, também são realizadas as análises de estruturas do aeroporto, um serviço que tem previsão para ser concluído ao final deste semestre. O investimento previsto pela empresa federal neste pacote de intervenções é de R$ 20 milhões.

Depois de feitas as atualizações estruturais, modernizações, licenças e vistoria da Anac, a Prefeitura de Guarujá reforça, em nota enviada à Reportagem, o interesse em fazer a concessão do aeroporto.

Projetos 

Assim que assumiu a gestão do aeroporto, no começo de junho, a equipe de engenharia da Infraero apontou para a necessidade de elaboração de projetos de recapeamento e drenagem da pista, além da construção de cerca operacional no entorno dela.

“O serviço de topografia e sondagem já foi contratado e iniciado em 22 de setembro", detalha a empresa, em nota. A previsão de término era na última sexta-feira.

De acordo a Infraero, já foram realizadas manutenções em equipamentos de auxílio visual, como na biruta (indicador de direção do vento) e no farol rotativo (luz para operação noturna). Outro ponto que recebeu atenção especial foi o corte da vegetação, que será mantido periodicamente.

Em relação ao licenciamento ambiental, a Infraero afirma ter realizado uma consulta prévia à Cetesb, e, em resposta, foi apontada a necessidade de elaboração do Relatório de Regularização Ambiental (RRA).

“A Infraero está elaborando o relatório exigido para que seja aberto o processo de licenciamento, o que é um avanço importante, visto que sem essa etapa não há possibilidade de intervenções (obras) para posterior operação do aeroporto".

Voos comerciais 

Após as readequações estruturais, o Aeroporto de Guarujá terá condições de receber aeronaves de categoria 2B, a exemplo do Caravan. “A liberação de voos comerciais regulares cabe à Anac, de modo que o órgão regulador irá avaliar as condições de infraestrutura, pois o aeroporto deve seguir os parâmetros estabelecidos no Regulamento Brasileiro de Aviação Civil (RBAC 154)”.

Tudo sobre: