EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

3 de Abril de 2020

Guarujá monta alojamento especial para pessoas em situação de rua

Serviço provisório começa a funcionar nesta quarta-feira (25), no Ginásio Tejereba, com o objetivo de garantir a segurança da população de risco

A Prefeitura de Guarujá montou um alojamento provisório para atendimento especial para as pessoas em situação de rua. Com capacidade para aproximadamente 120 pessoas, a unidade foi instalada no Ginásio Tejereba (Rua Sílvio Daige, s/n, Jardim Tejereba) e ficará à disposição 24 horas para quem desejar abrigo seguro e capaz de oferecer a higiene e o isolamento social adequados para o momento.  

Segundo a Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, o alojamento provisório passa a funcionar a partir desta quarta-feira (25), após ação da equipe de Abordagem Social da pasta. O serviço especializado já realizou, neste ano, 385 abordagens semelhantes junto à população de rua do município.  

A administração municipal afirma que os leitos do local foram montados conforme o protocolo emitido pelo Ministério da Saúde. Assim, foram respeitados o distanciamento de dois metros entre as pessoas, e demais medidas sanitárias. 

A criação do alojamento provisório tem como objetivo proporcionar à pessoa em situação de rua proteção na luta contra o COVID-19. No espaço, totalmente adequado, será servida alimentação, além de toda assistência necessária, incluindo a conscientização sobre a necessidade e importância do isolamento social, em contraponto aos riscos da aglomeração de pessoas em ambiente urbano para o combate à proliferação do vírus. 

Rede 

Além do alojamento provisório, o município ainda conta com os atendimentos tradicionais voltados à população de rua, oferecidos pelo CREAS POP – Centro de Referência Especializado de Assistência Social, de segunda a sexta, agora funcionando em horário especial, das 9 às 16 horas, e pela Unidade de Acolhimento José Calherani (Albergue), que funciona 24 horas. 

 Atualmente, o município atende cerca de 120 pessoas em situação de rua e tem o cadastro de mais 150 que são considerados volantes, ou seja, sem permanência fixa na cidade.

Tudo sobre: