Confeiteira passa mal após ter contato com água nojenta em Guarujá: 'Parecia achocolatado'

Fernanda Cabral Silva teve vômitos e alergia devido ao estado do líquido fornecido em casa

A confeiteira Fernanda Cabral Silva, de 36 anos, moradora do bairro Jardim Santana, em Vicente de Carvalho, Guarujá, ficou chocada ao se deparar com uma cena nunca antes vista quando abriu a torneira de casa. Ela iria lavar utensílios e talheres que fazem parte do próprio trabalho, mas não pôde. “Parecia que saia toddynho da minha torneira. A água estava totalmente nojenta. Não podia lavar comida, nem roupa”, lamenta.

Clique aqui e assine A Tribuna por apenas R$ 1,90. Ganhe, na hora, acesso completo ao nosso Portal, dois meses de Globoplay grátis e, também, dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Fernanda percebeu que a água estava totalmente imprópria por volta das 10h do último dia 10. Rapidamente, ela entrou em contato com a Sabesp, que enviou dois técnicos para o local. Ela afirma que, mesmo após efetuarem os reparos, a água melhorou a partir das 17h, mas ainda não ficou 100% limpa, contando com algumas sujeiras. 

“Parecia que eu tinha derrubado borra de café na pia, de tão suja que estava. A água escorreu e a sujeira ficou na pia. Tinha um bolo para entregar, e precisava lavar o saco de confeitar. Foi quando vi a água nojenta”, afirma. 

Até a situação se normalizar, a confeiteira não ingeriu o líquido e evitou que os dois filhos fizessem o mesmo. Apesar dos cuidados, na manhã de domingo (18), Fernanda sentiu um forte mal estar, com vômitos, diarreia, cólica e dor de cabeça. À tarde, começou a sentir irritação e coceira no corpo. 

“Como só percebi por volta de 10h, provavelmente subiu água suja para minha caixa. O contato que tive foi da água que subiu na minha caixa, no banho. Chegou uma hora que meu corpo inteiro coçava e ardia demais. Fiquei toda vermelha”, destaca Fernanda, que precisou fechar o registro geral para evitar que mais resíduos subissem para a caixa d’água. 

Ao ter contato com a água, Fernanda sentiu um forte odor. Ela afirma que o cheiro era semelhante ao de barro ou lama. Na segunda (19) pela manhã, a água suja retornou. “Era uma água com grãos, granulada. Parecia uma areia, um pó de café. A sujeira era bem forte”. 

Na manhã de segunda-feira (19), água de Fernanda Cabral Silva voltou a ficar imprópria (Foto: arquivo pessoal)

A confeiteira não foi a única moradora de Vicente de Carvalho a ter problemas com a água fornecida. Também no sábado (17), a dona de casa Edvalda Fernandes Gomes de Oliveira, de 43 anos, afirma que ficou com as roupas escuras após lavá-las na máquina de casa. Ela, que é moradora do Bairro Jardim Maravilha, percebeu que a água não estava normal por volta de 13h, logo que tirou as roupas da lavadora. 

“Liguei a máquina normalmente, e quando fui tirar as roupas elas estavam pretas, encardidas. Fui abrir a torneira, e infelizmente a água estava imunda”, lamenta Edvalda, que também notou um forte odor e precisou lavar as roupas novamente no dia seguinte, quando o líquido fornecido estava em um estado melhor. 

Assim como Fernanda, a dona de casa precisa comprar galões de água para poder realizar as atividades diárias, em função da falta de abastecimento ser recorrente.

Com irritação na pele, vômitos e diarreia, Fernanda Cabral Silva precisou ir ao hospital (Foto: arquivo pessoal)

Demora no atendimento 

A qualidade da água não é o único problema enfrentado por Fernanda. A moradora de Vicente de Carvalho, em Guarujá, afirma que sofre diariamente com falta de água no bairro, além da demora no atendimento por parte dos técnicos. “Geralmente, quando você liga lá, demoram até dois dias para atenderem a ocorrência, ou mais de 24 horas”, conta Fernanda. 

“Aqui falta água direto. Sofremos mais nos feriados. No último, não teve. E neste fim de semana, veio uma água imunda”, lamenta Edvalda. 

Resposta

Em nota, a Sabesp disse que fez vistoria no imóvel de Fernanda no domingo, “sendo constatado que o abastecimento no cavalete está dentro da normalidade. A cliente acompanhou o técnico e foi orientada a realizar a limpeza da caixa d´água.”  

A empresa também ressalta que “está à disposição pelo telefone 0800 055 0195 (a ligação é gratuita), pelo site e no aplicativo para celulares”.

Estado da pia de Fernanda Cabral Silva, após água imprópria escorrer (Foto: arquivo pessoal)
Tudo sobre: