Ciclofaixa isola edifício histórico de Guarujá e revolta moradores: 'Queremos as vagas de volta'

'Modernização urbana' instalada ao redor do prédio tem deixado idosos e pessoas com comorbidades sem opções de embarque e desembarque no local

Uma ciclofaixa instalada em frente ao Edifício 'Sobre as Ondas' em Guarujá tem deixado os moradores do local indignados. O prédio que já chamou a atenção pela boa localização agora está isolado por conta de tal remodelação para adequar a ciclofaixa. O problema, segundo os moradores, merece atenção já que a entrada de pedestres e o embarque e desembarque de veículos passou a ser inexistente. 

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Localizado praticamente na praia, entre Pitangueiras e Astúrias, na Avenida General Rondon, o edifício ficou muito conhecido em meados de 1945 por toda a modernização e inovação arquitetônica que a construção traria. Porém, com as modernizações urbanas e as alterações dos espaços para suportar toda a logística da cidade grande, o prédio ficou isolado com a implementação de uma ciclofaixa no final de 2019. 

A moradora Patrícia Furquim conta que o prédio não tem garagem e que a ciclofaixa pega toda a extensão da calçada do prédio, por isso, as vagas de embarque e desembarque foram retiradas, dificultando a entrada de idosos ou deficientes físicos no prédio, por exemplo. 

A advogada diz ainda que o marido, que trabalha na linha de frente contra a Covid-19, foi infectado e agora se recupera de sequelas neurológicas, mas parar em frente ao prédio fica difícil, já que parar o carro na ciclofaixa colocaria em risco a segurança das pessoas. "Queremos as nossas vagas de volta para exercermos o direito de entrar e sair de nossos aptos com dignidade. Direito que deveria ser garantido e assegurado pela administração pública e que seria também o reconhecimento por toda a contribuição do Sobre as Ondas para o desenvolvimento da história da cidade do Guarujá", conta. 

Ciclofaixa impede que munícipes desembarquem passageiros na porta do prédio (Foto: Arquivo Pessoal)

Como solução, os moradores propõem que a ciclofaixa mude para o outro lado da avenida, no "pé" do morro, voltando ao trajeto original da ciclofaixa. Assim, eles acreditam que nenhuma das partes seria prejudicadas e também deixaria o caminho mais seguro. Eles também pedem marcações pedindo a diminuição da velocidade, na faixa que já existe, para prevenir acidentes mais graves. 

Resposta

A Diretoria de Trânsito (Ditran) de Guarujá informa que a ciclofaixa é uma imposição da Lei de Mobilidade Urbana do Município, que prevê priorização de um transporte mais limpo e inclusivo, no sistema viário de Guarujá. 

Com relação à ciclofaixa em frente ao Edifício Sobre as Ondas, a diretoria explica que ela foi implantada no local, pois onde estava antes já havia ocorrido acidentes, inclusive com mortes de ciclistas. A intenção é preservar a vida dos usuários da via.

Já em relação ao estacionamento, foram criadas mais vagas próximo ao prédio (atravessando a rua). No total, são duas vagas de carga e descarga e mais uma vaga de estacionamento prioritário para idoso ou pessoa com deficiência. Sobre a sinalização, a equipe da Ditran vai colocar placas de orientação.

Tudo sobre: