EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

18 de Setembro de 2019

Aquário de Guarujá apresenta loba-marinha cega nesta quarta-feira

Animal de aproximadamente dois anos de idade foi encontrado no Paraná

Uma nova moradora chegou ao Acqua Mundo, o Aquário de Guarujá, nesta quarta-feira (11). A loba-marinha de dois anos de idade é cega e está em fase de adaptação, após ser resgatada em uma praia do Paraná e receber cuidados do Centro de Reabilitação e Despetrolização (CReD) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) desde novembro de 2018.

O animal foi encontrado na Baía de Guaratuba (PR) em estado debilitado e sendo alimentado por pescadores. Nas últimas semanas, o animal não esteve visível ao público, já que o contato com o tratador é mais importante nesta fase, segundo o biólogo Paulo de Tarso.

O responsável pelo Acqua Mundo considera importante que os animais tenham uma relação próxima aos seus cuidadores. “Isso facilita a realização de observações e coleta de dados para avaliação clínica, de maneira pouco estressante para a lobinha”.

Em razão da sua cegueira, a loba-marinha permanecerá ainda sob observação de veterinários do aquário até que esteja perfeitamente ambientada. Nesta quarta, com a abertura do recinto, os visitantes já puderam conhecer a nova moradora.

Animal foi resgatado em praia do Paraná, e encaminhado ao Guarujá após receber tratamento (Foto: Divulgação/Prefeitura de Guarujá)

Resgate

Após o primeiro resgate, a equipe responsável diagnosticou uma lesão ocular já cicatrizada no olho direito, que causou perda total da visão do animal. O médico veterinário do CReD do Paraná, Marcillo Altoé Boldrini, explica que o problema na visão pode ter ocorrido durante a vinda do animal da Patagônia até o Brasil.

A loba-marinha chegou a ser solta no ambiente natural após recuperação, mas acabou voltando para a orla. O retorno demonstra que o animal teve dificuldades em se readaptar ao meio natural, e por isso os veterinários consideraram que a aproximação aos humanos para acesso a alimentos não seria reversível. “Esse comportamento foi adquirido naturalmente devido ao trauma ocular”, ressalta Marcillo.

A equipe do CReD descartou a opção de uma nova tentativa de devolução à natureza, e optou pelo encaminhamento e amparo de instituição que pudesse acolher o animal, escolhendo assim o Aquário de Guarujá, que já possuía um grande tanque apto a receber o animal.