Andressa Salles diz que foi ameaçada a mando de Suman em Guarujá: 'Adoro uma maldade'

Segundo Andressa Salles (DEM), Almir Silva teria enviado mensagens com intimidações a mando do prefeito Válter Suman (PSB)

A vereadora Andressa Salles (DEM) acusou o diretor da Organização Social (OS) Pró-Vida de fazer ameaças contra ela e a família a mando do prefeito Válter Suman (PSB). A entidade é responsável por gerenciar equipamentos de Saúde no município. Segundo a parlamentar, as ameaças começaram a surgir após ela apresentar requerimento questionando os gastos do Executivo no combate a Covid-19. De acordo com o documento, Praia Grande teria gasto cerca de R$ 22 milhões, enquanto Guarujá, R$ 44 milhões.

Andressa publicou um áudio enviado por Almir. "O que você bater, eu vou bater contra. Você pode ter certeza disso daí. Grava bem isso daí e manda para quem você quiser. Leva para onde você quiser, pro Estado, pra quem você quiser. Onde você bater, eu estou de linha de frente do Suman pra bater de frente com você, ok? Vem quente filha, mas vem quente que a gente está com sede de guerra. Eu adoro uma maldade e gosto de coisa suja, hein. Então vem, mas vem com as coisas certas. Não vem com patifaria não, certo? Mas vem com coisa certa que aqui a gente gosta. Aqui a gente gosta de fazer, gosta de barulho, gosta de sujeira. Aqui a gentegosta, entendeu? Você, a partir de hoje, não respeito mais você, ok? Já estou mandando um áudio para quem você vai mandar. Não te respeito mais porque você faltou respeito comigo, Andressa, ok? Então, você é com você. Se é guerra, então vamos pra guerra. Guerra vai morrer gente do seu lado e do nosso lado. Vamo embora", disse o diretor da Pró-Vida.

A vereadora ainda acusou Silva de perseguir funcionários públicos, trabalhadores da OS e que o chefe do Executivo teria pedido para o diretor "resolver o problema". "Você massacrou, acabou com a minha saúde. Toda a barra que eu enfrentei por confiar numa pessoa que traiu um povo, traiu a pessoa que te colocou na cadeira e muitas outras. A verdade vai vir", disse Andressa, em um recado direcionado ao prefeito guarujaense.

O vereador Pastor Sargento Marcos (DEM) foi em defesa de Andressa Salles e a parabenizou pela coragem. "Nós não podemos, como Casa de Leis, continuar assistindo o que estamos assistindo. Temos, como vereadores, tomar uma atitude. É alguém que está comandando a saúde da cidade. Alguém que colocou um falso médico dentro da cidade. Precisamos, sim, tomar uma atitude séria nesse município", disse o parlamentar.

Outro lado

Questionado sobre a acusação feita por Andressa Salles, o prefeito Válter Suman disse que "lamenta e refuta veementemente as palavras levianas da parlamentar e informa que tomará as devidas providências judiciais cabíveis".

Nas redes sociais, Almir Silva publicou um vídeo, que posteriormente foi deletado, para falar sobre o caso envolvendo a vereadora do Democratas. Segundo o diretor, Andressa e o Pastor Sargento Marcos "não estão batendo muito bem da cabeça".

Silva também fez alusão a Operação Cadeia Alimentar, da Polícia Federal, que cumpriu mandados na residência e no gabinete da parlamentar. Segundo Andressa Salles, no caso ela foi apenas citada e que contribuiu com as investigações.

"Por que depois de três anos e meio a senhora vem fazer tanta acusação do prefeito ou da minha pessoa? Eu não devo nada para a senhora. Pelo contrário. Nunca quis fazer negócio com tipo de gente que nem a senhora, que é tipo de gente lixo, mas lixo de quinta categoria".

O diretor da OS ainda desafiou Andressa Salles a comprovar a ameaça. "Coloca os meus áudios que eu ameacei a senhora? É difícil, né? Três secretários e dois vereadores foram para o oposição porque a prefeitura não é balcão de negócios. O prefeito está certo de tirar esses lixos de perto", disparou.

Almir Silva ressaltou que nunca ameaçou a parlamentar. "Por que a senhora não mostra o áudio que a senhora mandou? Vem falar da minha índole? Do meu caráter? Vai lá no PAM (da Rodoviária). Não tem paciente no corredor porque lá o serviço funciona", falou o diretor.

O representante da Pró-Vida disse que a vereadora precisava ser internada porque "não está batendo bem" e que, tanto Andressa quanto o Pastor Sargento Marcos só vivem de ameaças. Por fim, Almir Silva pediu desculpas pelo desabafo e fez uma defesa do prefeito Válter Suman (PSB).

Tudo sobre: