Temporada deve ter chuvas e temperaturas altas na Baixada Santista

Defesa Civil alerta para calor mais persistente a partir de dezembro; El Niño deve influenciar

Por: Bruno Gutierrez  -  14/11/18  -  09:26
Projeto passa a vigorar logo após a sanção do prefeito Válter Suman
Projeto passa a vigorar logo após a sanção do prefeito Válter Suman   Foto: Rogério Soares/AT

A temporada de verão deve ser de temperaturas altas e chuvas na Baixada Santista. Segundo a Defesa Civil do Estado de São Paulo, os termômetros devem marcar temperaturas maiores do que na temporada 2017/2018, com calor mais persistente a partir de dezembro.


O órgão tembém cita um boletim do Centro Americano de Meteorologia e Oceanografia (NOAA), emitido em 8 de novembro,em que aponta para um "cenário de aquecimento do Pacífico com formação de um fraco El Niño durante o verão do Hemisfério Sul". Com isso, a chuva também será mais frequente em todo o Estado de São Paulo.


De acordo com o climatologista Rodolfo Bonafim, diretor científico da ONG Amigos da Água, os últimos fenômenos desta categoria têm trazido mais chuva do que calor. "Esse El Niño deve trazer bastante chuva para esse final de primavera e começo de verão", apontou Bonafim.


Apesar da Defesa Civil apontar que o Estado sofre com uma estiagem prolongada, que começou em fevereiro, em alguns municípios, e posteriormente se espalhou até para o Paraná e Mato Grosso do Sul, o climatologista destacou que, na Baixada Santista, o cenário tem sido mais nebuloso.


"Nós tivemos um mês de agosto bastante chuvoso. O mais chuvoso em 26 anos segundo os registros que temos na ONG Amigos da Água. E outubro fechou como o outubro mais chuvoso dos últimos 10 anos. Batemos recorde, inclusive. Agosto foi o mês com menos dias de sol, apenas nove. O resto foi um clima nebuloso ou chuvoso. Outubro também foi extremamente nebuloso, com poucos dias de sol", ressaltou o diretor científico da ONG.


Bonafim também explicou que os verões têm demorado a engatar na região. Segundo ele, os últimos invernos foram suaves, seguidos por primaveras amenas.


"O calor mesmo do verão que, em novembro, estava aportando na região. Agora, você tem novembro e dezembro frescos. Por exemplo, cito esse início de semana, com previsão de bastante sol na Baixada Santista e Litoral Norte, mas está um mormaço, tempo abafado, à tarde vem a brisa do mar e resfria tudo. Entre domingo (11) e segunda-feira (12)tivemos um fenômeno chamado entrechoque. É o encontro de uma massa de ar quente e seca, que vem do interior do continente, e outra que vem do mar, fria e úmida. Esse é fenômeno é mais comum no final do inverno e começo de primavera. Não é normal, nesta altura do mês, termos o entrechoque. É um mês de novembro atípico até o momento", analisou o climatologista.


PPDC deve ser implantado em dezembro


Com o aumento no volume das chuvas, a Defesa Civil do Estado implantará, a partir de 1º de dezembro, o Plano Preventivo de Defesa Civil (PPDC). Conhecido também como Operação Chuvas de Verão, o plano tem revisão de término em 31 de março de 2019 e atende a todas as cidades da Baixada Santista.


No plano da última temporada, a região resgistrou dois deslizamentos e uma enchente. As principais orientações dadas à população pela Defesa Civil são acompanhar as mídias sociais e cadastrar o CEP de suas residências para receberem as notificações de ocorrências, as quais permitirão aos moradores saírem preventivamente das áreas de risco, além de identificarem ocorrências próximas de suas localizações.


O cadastro deve ser feito por meio do serviço de SMS e 40199. O principal objetivo é para que as ações preventivas atuem com a minimização de desastres.


Logo A Tribuna