Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Sindicatos protestam sobre aumento de ICMS nos combustíveis

Entidades afirmam que insumo sofrerá aumento e, com isso, haverá escalada nos preços de alimentos e serviços de primeira necessidade

Por: Por ATribuna.com.br  -  08/01/21  -  10:46
O preço mais baixo, porém, tem demorado a chegar nos postos de abastecimento
O preço mais baixo, porém, tem demorado a chegar nos postos de abastecimento   Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Os condutores da Baixada Santista devem sentir, a partir do próximo dia 15, no bolso mais um aumento no valor na hora de abastecer os veículos. O vilão desta vez é a mudança na alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente no combustível. A alteração na carga tributária provocou forte onda de protesto das entidades da revenda varejista paulista.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A nova regra estabelece um “complemento” à alíquota nos combustíveis como forma de amenizar as perdas de arrecadação paulista com o corte do tributo em produtos da cesta básica e medicamentos. A mudança foi anunciada pelo governo paulista, em meio à nova escalada de casos de Covid-19.


Segundo o Palácio dos Bandeirantes, há um crescimento de 41,3% nas internações e de 70% nas mortes em comparação aos indicadores de outubro, mês em que as médias diárias eram inferiores inclusive às registradas em maio, fase ainda inicial da pandemia no país.


O ICMS é o principal fonte de arrecadação estadual, e a revisão das alíquotas em São Paulo faz parte do ajuste fiscal do governo João Doria (PSDB). A nota tributação passa a valer no dia 15 de janeiro. O anúncio fez com que entidades e sindicatos do setor varejista emitissem manifesto contra o aumento.


Segundo as entidades, trata-se de um aumento disfarçado da carga tributária. No, por exemplo, do etanol hidratado, cuja alíquota passará dos atuais 12% para 13,3%.


Considerando o preço de referência usado pelo estado para o cálculo do imposto durante a primeira quinzena de dezembro, a parcela referente ao ICMS subira de R$ 0,35 para R$ 0,39 por litro, alta de R$ 0,04. Esse valor deve ser sentido na gasolina, cuja composição leva até 25% de etanol.


“[O setor] alinha-se aos protestos de várias áreas sobre a alteração de alíquotas de ICMS sobre diversos itens de primeira necessidade para a população (alimentos, insumos agrícolas, medicamentos e combustíveis, dentre outros), promovida pelo Governo do Estado”, informa nota conjunta das entidades do comércio varejista do setor.


Mais caro


Para as entidades, o aumento da alíquota “agravará a crise social e econômica decorrente da pandemia da covid-19, ainda em fase crítica, que afeta o País”. Ao anunciar a medida, na quarta-feira (6), o governador João Doria (PSDB) afirmou que a regra iria beneficiar a população mais vulnerável, já que poderia reduzir o custo dos alimentos da cesta básica.


“Esperamos que o governo estadual reveja o significado aumento da alíquota de 12% para 13,3% sobre o diesel e o etanol, previsto para ser aplicado em 15/01 próximo e que tende a onerar em cascata os custos da indústria (em especial da agropecuária), do comércio e do setor de serviços, sobretudo as empresas de pequeno e médio porte, e elevar em potencial o preço final dos produtos essenciais, impactando o poder de compra da população e prejudicando os mais vulneráveis, sem contar o provável risco da perda de empregos”, finaliza o comunicado.


Logo A Tribuna