Professores da Baixada analisam ensino remoto para o Enem: 'Abismo entre rede pública e privada'

Docentes da região explicam as dificuldades enfrentadas pelos alunos na preparação para o exame em meio à pandemia de Covid-19

Por: Ágata Luz  -  13/01/21  -  21:49
Exame será aplicado em todo o Brasil nos dias 3 e 10 de novembro
Exame será aplicado em todo o Brasil nos dias 3 e 10 de novembro   Foto: Agência Brasil

A pandemia da Covid-19 forçou o distanciamento social na rotina da população e, na educação, asaulas remotas não alcançaram todos os estudantes. Este é um dos maiores obstáculos que os jovensirão enfrentar para realizar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020, que irá acontecer apartir do próximo domingo (17).


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Professores da rede pública e privada da Baixada Santista concordam que o cenário favorece alunos
do ensino particular por uma série de fatores. De acordo com docentes, escolas privadas estavam mais preparadas para as aulas virtuais e, alémda demora para a rede pública conseguir oferecer o ensino online, quando conseguiram,muitos estudantes tiveram dificuldade para acessar as plataformas.



“Acredito que o aluno, principalmente da rede pública de ensino, será prejudicadona realização do Enem deste ano porque o exame virá com a cobrança normal em cimado currículo e recebemos muitos relatos de alunos com dificuldade no acesso àsplataformas durante o ensino remoto", explica Victor Luis Catarino Pereira,professor da rede pública estadual e municipal e gestor pedagógico da rede
particular.


De acordo com Pereira, estudantes do Litoral Sul tiveram ainda mais problemascom ensino à distância (EAD). "Municípios como Itanhaém, Mongaguá e Peruíbe sofremcom a falta de estabilidade da internet em algumas regiões", explica. Além disso, muitos alunos tiveram que ajudar os pais em casa: cuidando de parentes e colaborando com a renda familiar, já que algumas pessoas perderam emprego durante apandemia.


"Em contrapartida, alunos que tem estabilidade financeira e familiar puderam aproveitaro tempo em casa e se dedicar aos estudos. Por isso, terão vantagem significante sobre os demais", conclui Victor Luis.


Para o professor da rede privada de Santos e da rede pública em Cubatão, FernandoLuís Ferreira Oshiro, o ano atípico trará à tona a desigualdade entre os ensinos. "É importante ressaltar que esse ano vai fazer crescer de forma imensa o abismo queexiste entre o ensino particular e o ensino público. Em um país que a sociedadefala tanto de meritocracia, não podemos esquecer da corrida desigual que o ensinopúblico tem com o privado". De acordo com Oshiro, o fato de lecionar em duas realidades diferentes o trouxe uma visão mais ampla sobre o assunto.


Dicas para ir bem na prova


Para ultrapassar os obstáculos e dar o melhor no exame, Victor Luis Catarino orienta os candidatos a descansarem na véspera da prova. "É importante desligar o celular um pouco e respirar ar puro, pois o desgate psicológico é o pior que existe e o motivo que mais derruba alunos na prova do Enem", destaca.


Enquanto isso, o professor de ciências e biologia, Fernando Luís Ferreira, dá dicas sobre sua área para a prova. "Vivemos um ano com muita destruição, então vale a pena estar recordando as queimadas, a destruição do Pantanal, as questões ambientais. Além disso, nos últimos anos, o Enem vem trazendo questões que envolvem a citogenética e biotecnologia. E claro, neste ano de pandemia, certamente os conceitos envolvendo microorganismos em especial os vírus serão fundamentais de serem revisados, assim como os conceitos que envolvem o sistema imunológico, como a diferença básica entre vacina e soro".


Mudanças no Enem


Devido à pandemia, a edição de 2020 foi adiada para janeiro deste ano e, apesar daresistência do Ministério de Educação (MEC), a prova será realizada emduas modalidades: impressa e digital. Esta será a primeira vez que o exameacontecerá desta forma. A prova impressa acontece nos dias 17 e 14 de janeiro, enquanto a digital será em 31 de janeiro e 7 de fevereiro.


Para o professor Fernando Luís, o fato deste Enem ser realizado em duas modalidades trará discrepâncias. "Na minha visão, o ideal seria que fosse uma única data para que fossem avaliados no mesmo critério", explica. Enquanto isso, Victor Luis enxerga que o Enem digital é uma alternativa interessante pela velocidade e agilidade, porém, é preciso cuidado. "É necessário controle do tempo, além de que a iluminação das telas aumenta o cansaço dos olhos. Acredito que seria melhor se houvesse maior preparo".


Logo A Tribuna