Para sindicato, falta de ar-condicionado foi agravante em acidente de viatura da GCM em Praia Grande

Caso aconteceu na última quarta-feira (9). Agente que conduzia veículo teve um mal súbito e bateu em um poste de energia elétrica e um portão de uma residência, no bairro Melvi

Por: Cássio Lyra & De A Tribuna On-line &  -  11/01/19  -  09:51
Vículo colidiu contra poste de energia elétrica e portão de uma residência
Vículo colidiu contra poste de energia elétrica e portão de uma residência   Foto: Divulgação/ Prefeitura de Praia Grande

O forte calor pode ter sido um dos motivos de uma viatura da Guarda Municipal (GCM) ter se acidentado na quarta-feira (9) em Praia Grande, segundo o Sindicato dos Servidores Municipais. O veículo colidiu contra um poste de energia elétrica e, posteriormente, em um portão de uma residência, no bairro Melvi. O agente que conduzia a viatura teria sofrido um mal súbito.


O sindicato se manifestou durante a semana sobre as viaturas da GCM não possuírem ar-condicionado. O forte calor faz, segundo a categoria, a temperatura chegar a 47 graus dentro dos veículos, além do cheiro de diesel causar ânsia de vômito e alterações de pressão nos guardas.


“O sindicato tomará as providências jurídicas cabíveis se algo grave ocorrercom algum guarda por causa dessa condição de trabalho”, diz o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Adriano Roberto Lopes da Silva, o Pixoxó.


Ele ainda acrescenta que levará o problema da falta de ar-condicionado ao Ministério Público caso não consiga solucioná-lo na Secretaria Municipal de Segurança.


Prefeitura responde


A prefeitura de Praia Grande, por meio da Secretaria de Assuntos de Segurança (Seasp), alega que o comando da Guarda Municipal determinou que as equipes realizem as rondas sempre com os vidros abertos e o ar-condicionado desligado para evitar o uso do aparelho juntamente aos vidros abertos.


A Seasp complementa que uma das premissas da corporação é que seus integrantes estejam sempre em contato com o ambiente externo e determinadas situações são inerentes à função que os guardas ocupam.


Por fim, a administração municipal informou que levou em consideração reclamações de munícipes, que não conseguiram ter acesso a guardas que estavam dentro de uma viatura com as janelas fechadas.

Logo A Tribuna