Menino que parou de crescer desafia médicos ao ter síndrome rara descartada

Teste em Erick, de 2 anos, deu negativo para síndrome de Silver-Russell. Ele parou de crescer aos 3 meses

Por: Cássio Lyra & De A Tribuna On-line &  -  20/12/18  -  09:28
Menino Erick parou de desenvolver normalmente depois de ter completado três meses de idade
Menino Erick parou de desenvolver normalmente depois de ter completado três meses de idade   Foto: Reprodução/Facebook

A história do menino Erick Figueiredo, de 2 anos, têm intrigado muitos médicos e, inclusive, a própria mãe, Mariana Figueiredo. A criança parou de crescer normalmente a partir dos 3 meses de idade. Após constantes consultas médicas, o caso poderia tratar-se da síndrome de Silver-Russell (SSR). Mas, após a realização de exames, o resultado deu negativo.


A mãe da criança tinha esperança que fosse apontada a existência da síndrome para que o tratamento pudesse ser iniciado. Mariana disse estar bastante desapontada com a situação. "Fiquei um pouco decepcionada com o resultado dando negativo. Isso dificulta tudo, vamos ter que recomeçar do zero e com isso quem perde é ele (Erick) para um possível tratamento", analisa a mãe.


A médica Mirlene Cernach, do Ambulatório de Genética da Unimes, foi quem fez o diagnóstico de que o caso da criança pudesse ser a SSR. "Ela foi a única médica que deu um possível diagnóstico do que poderia ser. Nenhum outro médico sequer dava palpite. Era um festival de exames feitos", diz Mariana.


Menino Erick, de 2 anos, não tem a síndrome de Silver-Russell
Menino Erick, de 2 anos, não tem a síndrome de Silver-Russell   Foto: Reprodução/Facebook

Depois de nova consulta com a doutora Mirlene, Mariana e Erick serão encaminhados para novos exames. "Ela passou exames de hormônio e comentou que, aqui em Santos, não tinha recursos para exames mais complexos".


Erick nasceu no dia 21 de março de 2016 após sete meses de gestação. Ele se desenvolveu como um bebê normal até os três meses de vida, quando Mariana começou a reparar que o filho tinha dificuldades para ganhar peso. À época, médicos diziam que, pelo fato de Erick ser prematuro, seu desenvolvimento poderia acontecer de forma mais lenta.


"Ele é uma criança saudável, mas ainda é muito fraquinho. Não fala, não senta direito. Pra idade dele, já deveria estar falando, andando, correndo em casa, brincando com outras crianças", finaliza Mariana, que recentemente, a jovem deu luz para seu segundo filho, Henrique, que nasceu em parto cesariana.


Erick, à esquerda, ao lado do irmão recém-nascido Henrique
Erick, à esquerda, ao lado do irmão recém-nascido Henrique   Foto: Reprodução/Facebook

Logo A Tribuna