Médicos do litoral de SP aprovam autoteste contra covid-19, mas temem falsos negativos

Pedido para aprovação do autoteste foi enviado pelo Ministério da Saúde para a Anvisa

Por: Daniel Gois  -  18/01/22  -  11:48
Infectologistas veem autoteste como positivo para reduzir demanda em unidades de saúde
Infectologistas veem autoteste como positivo para reduzir demanda em unidades de saúde   Foto: Divulgação/Governo do Ceará

A possibilidade de autotestagem para a covid-19 no Brasil é bem-vista por infectologistas, como forma de reduzir a demanda por exames em unidades de saúde. Médicos, porém, temem que haja alto índice de resultados falsos negativos e o risco de não serem informados às autoridades — o que pode causar subnotificação.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


O diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Leonardo Weissmann, acredita que a autotestagem pode acelerar o diagnóstico da covid-19, pois se trata de exames eficazes. Mas ele ressalta a necessidade de orientações para os usuários.


“Se isso não acontecer, poderemos ter inúmeros resultados falsos negativos, ou seja, pessoas com a infecção, mas com resultados negativos por erro na coleta ou na execução do exame”, alerta Weissmann.


A subnotificação também preocupa especialistas. A infectologista Elisabeth Dotti alerta que a falta de comunicação dos resultados pode agravar a crise sanitária, pois “alguém (pode) esconder que está positivo e sair infectando outras pessoas”. Outro possível problema: “O (resultado) negativo abre um leque. Ele (o paciente que fez autoteste) pode ser um transmissor achando que não tem nada”.


O infectologista Ricardo Hayden reitera que é necessário haver campanhas de orientação sobre os autotestes por parte dos governos Federal, Estadual e das prefeituras.


“O autoteste pode ajudar se acompanhado de uma campanha maciça, feita pelos governos, estimulando, explicando e disponibilizando os testes. Isso não pode ser colocado à disposição sem ter uma estratégia”, ressalta Hayden.


Estudos

Em nota para A Tribuna, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirma que recebeu, na sexta-feira, uma nota técnica do Ministério da Saúde com pedido de avaliação do uso de autotestes para a covid-19.


A agência afirma que o documento está com a Gerência-Geral de Tecnologia de Produtos para Saúde (GGTPS), onde a análise prossegue.


A Nota Técnica 3/2022, enviada pelo ministério, aponta que a procura pelo diagnóstico da covid-19 tem aumentado de forma exponencial, com grande demanda por testes rápidos na rede de saúde.


Logo A Tribuna