CLUBE IMPRESSO ACERVO COVID
Mecânico de Santos realiza sonho com fusca de quase meio século: 'É a minha ruiva'
Igor Bresciani contou histórias e explicou como é dividir a paixão pelo Fuscão 1.500 com a esposa
Por: Jean Marcel  -  09/05/21  -  08:15
A 'Ruiva' de Bresciani vai até participar de exposição na cidade   Foto: Igor Bresciani/Arquivo Pessoal

Com 36 anos de idade e de uma geração que não viveu a época mais popular do fusca, Igor Bresciani é apaixonado pelo modelo, e há cerca de dois anos conseguiu realizar o sonho de adquirir o seu, que acabou recebendo um apelido curioso.


"Sempre fui apaixonado por carros, em especial os antigos", diz Bresciani. Ele é mecânico de carros antigos na oficina Los Panchos, em Santos. "A Ruiva é um fuscão 1.500, ano 1973, e o apelido é por causa de sua cor, ocre Marajó", explica. O mecânico e a esposa Michele andam na 'Ruiva' por todos os lados. "É nosso carro pra tudo, trabalho, passeio, viagens, exposições e o que precisar", conta.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Porém, a história de possuir um modelo antigo começou de forma inesperada. Ele e a esposa estavam sem carro, e Michele sugeriu a compra de um veículo popular. "Pra comprar isso prefiro um fusca", disse Bresciani. E a resposta inesperada acabou vindo: "Então tá bom, pode ser", disse ela.


Passaram então a procurar na internet. "Não tínhamos a mínima noção deste mundo gigante que é o do fusca", diz o mecânico. Em um feriado estávamos em Águas de Lindoia. Meu sogro é colecionador, e tem um galpão com alguns carros. Nós pedimos uma ajudinha na procura e achamos um ali perto, em Amparo.


"Quando chegamos lá só tinha carrão importado, e todos pretos, prata ou brancos. Foi aí que a 'ruiva' se destacou ainda mais, e já estava escolhido o carro e o nome", conta Bresciani.


E de lá pra cá o casal vive colecionando aventuras e algumas dificuldades, como o dia em que estavam viajando, chovia muito e o limpador de para-brisas se soltou no meio do temporal. "Assustou na hora, mas depois demos risada da situação", conta o mecânico.


Casal usa o fusca em seu dia a dia   Foto: Igor Bresciani/Arquivo Pessoal

Máquina de fazer amigos


Aos poucos Bresciani foi ingressando no mundo dos apaixonados pelo fusca. "Um dia estávamos dando uma volta pela orla, e vimos alguns fuscas estacionados. Aqui em Santos, antes da pandemia, tinham vários encontros. Hoje ainda temos aos domingos, em frente ao Aquário! A recepção que tivemos de todos foi surpreendente", conta.


Outro aspecto que ele percebeu, é que o fusca atravessa gerações criando novos fãs. "Quando saímos com a 'Ruiva', muitas crianças apontam e chegam perto para ver o carro. Um grupo do qual faço parte, o Dissidentes, fez uma ação para um garoto que é apaixonado por Fusca! Lotamos um posto de gasolina inteiro com os carros só para ele!".


A 'Ruiva' estará em exposição no mês de maio   Foto: Igor Bresciani/Arquivo Pessoal

Bresciani já participou de inúmeras exposições "creio que pelo menos umas 12, e todas são muito legais de participar, e a próxima será aqui em Santos, na praça central do shopping Praiamar", conta o mecânico.


Fusca


O Fusca chegou ao Brasil em 1953. Desde a primeira versão, em 1945, mais de 21 milhões de unidades foram vendidas no mundo, o que o fez ser o modelo mais comercializado da história. Não há dúvidas de que ele sempre conquistou milhares de fãs e apaixonados por ele.


Exposição


Entre os dias 13 e 27 de maio, a 'Ruiva' e diversos outros fuscas estacionam em exposição por lá. O evento é gratuito. Serão, ao todo, 12 carros lançados entre 1968 e 1979 que se revezarão nos 15 dias de evento. A exposição acontece no shopping Praiamar, que tem estacionamento com 2300 vagas, praça de alimentação, lojas e serviços. O endereço é rua Alexandre Martins, 80, no bairro da Aparecida.