Grupo de Maracatu representará região no carnaval pernambucano

Participando pela 11ª vez, Maracatu Quiloa resgata manifestação cultural em Santos

Por: Yasmin Vilar & De A Tribuna On-line &  -  14/02/19  -  13:25
  Foto: Arquivo Pessoal/ Maracatu Quiloa

Agbé, gonguê e caixa. É ao som dos instrumentos de percussão que dez integrantes de um grupo santista de maracatu vão representar a região em um dos carnavais mais tradicionais do país. Os membros do Maracatu Quiloa estão de malas prontas para participar de cortejos no Marco Zero, em Recife, entre os dias 26 de fevereiro e 8 de março.


Fundador do primeiro grupo folclórico da Baixada Santista, Felipe Romano explica que os integrantes vão fazer parte do cortejo da Nação Encanto do Pina, única a ter uma mulher à frente da percussão; e Porto Rico, criada em 1916. Cerca de 400 integrantes participam da comitiva onde batuqueiros e personagens como porta-estandarte, damas da corte e o rei e a rainha, figuras mais importantes da procissão, representam as antigas cortes africanas.


“É uma honra poder sair de uma cidade que não possui raízes no maracatu e ser recebido pela Nação que possui mais de 100 anos de tradição. Depois do contato que tivemos já nos sentimos em casa”, comenta o fundador.


Participando da comemoração há 11 anos, o grupo é o primeiro fora do Estado a integrar o carnaval pernambucano. Além disso, as representantes da Baixada Santista fazem uma participação especial no Maracatu Baque Mulher, grupo formado exclusivamente por mulheres.


“Diferente do Carnaval paulista e carioca, o carnaval pernambucano é multicultural. Durante os dias da festa há apresentações de maracatu, frevo, bumba meu boi e até mesmo samba”. Romano cita ainda que há a competição entre agremiações, assim como as festas da Região Sudeste.


O Maracatu Quiloa foi criado há 15 anos por Felipe Romano e Melina Cabral. Os primeiros ensaios foram realizados em uma república da Unesp de São Vicente, unindo músicos e professores. O grupo realiza cortejos em Santos e em eventos no Estado.


  Foto: Arquivo Pessoal/ Maracatu Quiloa

Maracatu e suas origens


O maracatu é uma manifestação folclórica que envolve música e dança. Criado em Pernambuco em meados do século XVII, o maracatu possui influências da cultura africana. O cortejo conta com a encenação de personagens da nação na nagô, como o rei Xangô e a rainha Iansã, todos vestindo roupas típicas. A manifestação cultural tem como objetivo manter viva a tradição e representação.


Próximo ao Maracatu, o estado de Minas Gerais possui uma comemoração que remete a representação pernambucana. “No Sudeste, há a manifestação das congadas que são voltadas para a religião Católica, onde santos são cultuados. Já o Maracatu, criado no Nordeste, há a coroação de orixás, símbolos das religiões de matrizes africanas”, exemplifica Romano.


Logo A Tribuna