Dersa reconhece que balsas operam no limite da capacidade

Diretor-presidente da estatal admite problemas na travessia entre Santos e Guarujá e anuncia medidas para aliviar o Carnaval

Por: Gabriel Oliveira & Da Redação &  -  20/02/19  -  14:40
Deveria haver oito embarcações, uma delas de reserva, para o percurso Santos-Guarujá
Deveria haver oito embarcações, uma delas de reserva, para o percurso Santos-Guarujá   Foto: Carlos Nogueira/AT

Falta de balsas e quebras constantes continuam travando a travessia marítima entre Santos e Guarujá. O problema só deve começar a ser resolvido na semana que vem, com a entrada em circulação de mais uma embarcação e a adoção de medidas especiais para os dias de Carnaval.


Em passagem por Guarujá, ontem, o diretor-presidente da Dersa,Milton Roberto Persoli,  admitiu que a travessia opera no limite, nãohámanutençãopreventiva e é preciso aumentar a quantidade de balsas.


Hoje em dia, existem somente cinco embarcações à disposição, das nove da frota total destacada para a travessia entre Santos e Guarujá.Uma sexta voltará a navegar na próxima segunda-feira. Já as outras três precisam passar por reforma e não têm previsão de retorno.


Consertos


Segundo Milton, seis balsas são suficientes para atender a demanda, mesmo nos períodos de pico, mas não é possível fazer manutenções preventivas, pois não dá para abrir mão de nenhuma embarcação.


“Temos que trabalhar com essa frota sem ter uma balsa extra esperando se alguma quebrar. Hoje, fazemos manutenção corretiva e não preventiva”.


A Dersa modificou o contrato de manutenção para que os consertos ocorram também à noite e aos sábados e domingos, e não apenas em horário comercial nos dias de semana, como era antes.


Conforme Milton, as quebras constantes das balsas, tão conhecidas pelos usuários do sistema e que atrasam a vida de todo mundo, são motivadas pela idade avançada dos motores, que têm de 15 a 25 anos de uso. “É uma frota envelhecida”.


Foramcomprados30motores novos, que chegarão a partir de abril. Seis componentes usados estão disponíveis para substituição dos atuais.


Milton defende que “se tiver seis balsas e manutenção 100% por 24 horas, a tendência é a fila diminuir”.


Carnaval


Para os dias de Carnaval, são esperados 137milveículos utilizando a travessia entre Santos e Guarujá.Para tentar evitar outro nó por lá, a Dersa tomará duas providências, de 1º a 6 de março: instalação de painéis eletrônicos e colocação de agentes de trânsito terceirizados nas ruas próximas dos acessos aos atracadouros.


Os painéis informarão o número de balsas em operação e o tempo de espera. Já os agentes atuarão no lugar de trabalhadores das prefeituras “para poder organizar as filas”, conforme Milton.


Haverá reforço no número de cones, barreiras e banners para delimitação das filas. Essas três medidas chegarão antes do Carnaval, mas serão mantidas em definitivo.


“Eu não posso garantir que não vai ter problema. Tem coisas que fogem do nosso controle, como chuva, vento e grande quantidade de navios no Porto, mas estamos mantendo 100% de gestão nos outros itens. A balsa tem uma capacidade finita, de 500 a 600 veículos por hora. Mais do que isso, haverá dificuldade na operação”.


Logo A Tribuna