Deputado estadual rebate Marco Vinholi: 'não há espaço para tom de ameaça'

Paulo Corrêa Jr. (DEM) se posicionou após secretário de Desenvolvimento Regional dizer que municípios que não cumprirem as recomendações do Plano.SP irão "para o fim da fila"

Por: Por ATribuna.com.br  -  07/01/21  -  23:04
Paulo Corrêa Jr. foi eleito presidente da Comissão de Assuntos Desportivos (CAD)
Paulo Corrêa Jr. foi eleito presidente da Comissão de Assuntos Desportivos (CAD)   Foto: Divulgação/Alesp

O deputado estadual Paulo Corrêa Jr. (DEM) rebateu o secretário de Desenvolvimento Regional do estado de São Paulo, Marco Vinholi, que disse, na última quarta-feira (6),prefeitos que não cumprirem as recomendações do Plano.SP "irão para o fim da fila nos atendimentos".


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


O parlamentar criticou o tom adotado pelo representante do governo estadual. "A politica é a arte do convencimento, e não há espaço para tom de ameaça. Pela postura exposta pela Secretaria de Desenvolvimento do governo estadual, fica não só o meu descontentamento, mas o compromisso de lutar pela nossa região", disse Corrêa.


O deputado destacou que, "pela importância e protagonismo", os municípios da Baixada Santista devem ser tratados sempre entre os primeiros do estado, e não entre os últimos.


"Ninguém é irresponsável, nem os políticos eleitos e, principalmente, a população que acaba de escolher seus representantes", finalizou o parlamentar.


Alerta


Vinholi adotou um tom duro para criticar os munícipios, como toda a Baixada Santista, que descumpriu as medidas restritivas impostas pelo estado durante as festas de fim de ano. “Aqueles que forem irresponsáveis irão para o fim da fila nos atendimentos”, disse o secretário do Estado de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, emseminário promovido pelo governo com os prefeitos nesta quarta-feira (6).


Além disso, o secretário ameaçou levar os casos ao Ministério Público. “Se não estiver cumprindo as regras fundamentais da saúde e da vida,nós notificamose encaminhamos ao Ministério Público, que muitas vezes entra com ações de improbidade administrativa, até mesmo responsabilizando esses prefeitos que vão sofrer ações por conta dessa irresponsabilidade”, afirmou o secretário.


De acordo com Vinholi, nenhum município deixará de ser atendido na área da saúde. Quando cita “irão para o fim da fila nos atendimentos”, diz que tem a ver com os pedidos para “as outras áreas fundamentais”.


Logo A Tribuna