Covid-19: 56% dos internados em UTIs de Santos não completaram vacinação

Outros municípios da Baixada Santista também têm infectados que não se vacinaram. Médicos alertam para riscos

Por: Daniel Gois  -  19/01/22  -  07:33
Atualizado em 19/01/22 - 14:03
Nova variante Ômicron é caracterizada pela alta taxa de transmissão e baixa letalidade
Nova variante Ômicron é caracterizada pela alta taxa de transmissão e baixa letalidade   Foto: Vanessa Rodrigues/AT

Mais da metade dos pacientes internados com covid-19 em unidades de terapia intensiva (UTI) de Santos não completou o esquema vacinal contra o vírus. Ao todo, 56% dos infectados não haviam tomado as duas doses ou nenhuma, conforme levantamento feito pela Vigilância em Saúde da Prefeitura de Santos no último dia 8.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Segundo a Prefeitura, o Município tem 40.096 pessoas que não receberam a segunda dose da vacina, entre os 380 mil que tomaram a primeira. O número corresponde a 10,5% do total. A Administração ressalta que o percentual já foi de 18%.


O número é considerado preocupante por infectologistas, que alertam para o risco de pessoas não vacinadas apresentarem quadros graves se forem infectadas pelo coronavírus.


“A grande maioria dos pacientes internados em consequência da covid-19 é de não vacinados. As vacinas são seguras e eficazes. Muitas pessoas ainda têm a falsa sensação de que uma dose é suficiente e não retornam às unidades de saúde para tomar a segunda dose e a dose de reforço”, alerta o diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Leonardo Weissmann.


A infectologista Elisabeth Dotti ressalta que pessoas não vacinadas correm mais risco de contrair o vírus. Ela alerta para os riscos provocados pela variante Ômicron.


“A gente tem a Ômicron, que é extremamente transmissível. Você percebe um perfil de negacionismo ou um desleixo com a saúde refletindo na própria saúde e na de todos”, diz a médica.


Situação regional


A Secretaria de Saúde de São Vicente afirma que, ontem, foram registrados 19 pacientes com covid-19, dos quais 15 em enfermaria e quatro em UTI. Deles, seis pacientes não têm imunização registrada — cinco em enfermaria e um em UTI. São 31,5% dos internados.


Em Bertioga, dos cinco pacientes internados com covid-19, dois não estão vacinados e um recebeu apenas uma dose, o que representa 60% de pacientes com ciclo vacinal incompleto, indica a Prefeitura.


O Hospital Municipal de Cubatão registrou, ontem, nove pacientes com covid-19: quatro em UTIs e cinco em enfermaria. O Município tem mais de 7 mil pessoas com a segunda dose atrasada.


A UPA de Mongaguá conta com dez pacientes internados nos leitos de enfermaria. Segundo a Prefeitura, todos tomaram ao menos duas doses da vacina, e a Cidade não mantém pacientes internados em hospitais de referência.


Itanhaém tem cinco pacientes internados com covid-19 e quatro casos suspeitos, que estão sendo analisados. Dos confirmados, um paciente não se vacinou.


Em Peruíbe, mais de 50% dos internados não receberam a dose de reforço, enquanto 25% não receberam a segunda dose ou nem mesmo a primeira. A Prefeitura também afirma que 57% dos leitos para covid estão ocupados. A Reportagem não conseguiu dados de Praia Grande.


Logo A Tribuna