Contraprova descarta suspeita de gripe suína em passageira de cruzeiro

Turista norte-americana de 76 anos está em observação no Hospital Emílio Ribas, em Guarujá

Por: Da Redação  -  09/12/18  -  22:56

Contraprova finalizada neste sábado (9) descartou a suspeita de vírus Influenza A (H1N1) na passageira norte-americana de 76 anos que estava a bordo de um transatlântico que atracou quinta-feira no Porto de Santos.


A moradora de Denver, no Colorado, permanece em observação preventiva no Hospital Emílio Ribas, em Guarujá, e deve ser liberada nesta segunda-feira (10). Autoridades afastam risco de surto na região.


A informação é do médico infectologista Marcos Montani Caseiro. Segundo ele, o laudo médico recebido na manhã de sábado mediu a dosagem de proteínas C reativa (PCR), principal indicador de infecções bacterianas, por meio da coleta do sangue do paciente. Foi o segundo teste feito na Cidade que descartou a ocorrência da patologia.


Norte-americana está em observação no Hospital Emílio Ribas
Norte-americana está em observação no Hospital Emílio Ribas   Foto: Divulgação/ Governo do Estado

A Secretaria Estadual da Saúde afirma aguardar laudos conclusivos do Instituto Adolfo Lutz – ainda sem previsão de data. “Tratava-se de uma suspeita (de Influenza). Deu a positividade apenas no exame feito no navio”, destaca o infectologista. Segundo ele, a paciente tem quadro clínico estável, reagiu bem ao tratamento e está em observação na enfermaria da unidade médica.


Outros dois suspeitos de Influenza tiveram exames com resultados negativos, mas permanecem em monitoramento. Um deles, uma senhora de 79 anos, estava na mesma cabine da paciente de Denver e foi liberada por não apresentar sintomas. Ela continua em tratamento preventivo.


O terceiro caso é um homem de 64 anos. Ele permanece internado no isolamento da Santa Casa. Os três estavam no navio Celebrity Eclipse, que passou pelo Porto.


Risco Zero


Caseiro explica que as variações do vírus são transmitidas com mais facilidade nos meses mais frios do ano. Por essa razão, ele descarta a circulação durante o verão. “O risco é zero por aqui. Não é o período. O Influenza vem em ondas e se desloca do Hemisfério Norte, que começa agora o inverno, para o Sul. As pessoas que foram vacinadas estão protegidas”, observa.


De acordo com ele, os imunizantes têm validade de um ano. Novas doses da proteção serão reaplicadas aos grupos mais suscetíveis a partir de maio, na campanha de vacinação da gripe, com a aproximação do outono de 2019.


A Secretaria de Saúde de Santos informa que, neste ano, houve cinco casos confirmados de síndrome respiratória aguda, com duas mortes. Em 2017 foram cinco casos confirmados de Influenza, sendo quatro do tipo A/H3N2 sazonal e um de Influenza B, com dois óbitos (um por H3N2 e um por Influenza B).


O boletim epidemiológico do Ministério da Saúde indica que o Estado de São Paulo registrou 2.506 casos de vírus Influenza no ano, distribuídos em 477 municípios. Desse total, 577 pacientes morreram (23% de letalidade). A Região Metropolitana de São Paulo concentrou 40% dos episódios. No Brasil, foram confirmados 6.634 casos da doença e 1.363 óbitos (24,7%).


Sintomas e tratamento


A gripe (tanto a H1N1 quanto a H3N2 ou a Influenza B) tem como sintomas febre alta e súbita, tosse e dores de garganta, no corpo, nas articulações e de cabeça. No caso do H1N1, dois sintomas que chamam a atenção são a falta de ar e o cansaço excessivo.


É importante distinguir a gripe do resfriado comum, que é muito mais leve e possui sintomas menos graves como coriza, mal-estar, dor de cabeça e febre baixa.


O tratamento deve envolver boa hidratação, repouso e uso de antiviral, prescrito pelo médico. É importante que o paciente consiga tomar a medicação nas primeiras 48h do início dos sintomas, para maior eficácia. O tratamento também pode incluir analgésicos para aliviar os sintomas.


Logo A Tribuna