EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

20 de Julho de 2019

Escolas públicas da região participam de avaliação internacional de estudantes

Pisa para Escolas avaliará mais de 300 colégios da rede estadual

Mais de 300 colégios públicos de São Paulo deverão participar ainda este ano do Pisa para Escolas, a mais famosa avaliação internacional de estudantes. A Fundação Cesgranrio é a instituição credenciada para aplicar a prova em novembro.

Serão testados os conhecimentos dos alunos de 300 escolas da rede estadual de São Paulo e 40 escolas técnicas (Etecs) do Centro Paula Souza. Instituições particulares também poderão optar pela adesão, que é paga.

O Pisa é uma prova mundial aplicada a cada três anos desde 2000. Realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), ela mede o conhecimento de jovens do primeiro ano do Ensino Médio em Leitura, Matemática e Ciências. O Pisa ganhou tanta importância que virou parâmetro para medir a qualidade da Educação no mundo, além de influenciar no planejamento da área em diversos países. O Pisa para Escolas utiliza os mesmos parâmetros da prova para países.

“A rede estadual de São Paulo não é apenas a maior rede pública do Brasil, mas também da América Latina. Queremos liderar não só nesta questão, mas também no desempenho”, afirmou em entrevista para A Tribuna o secretário executivo de Educação do Estado, Haroldo Rocha.

Ele garante que a pasta tem trabalhado para aumentar o desempenho da rede no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), que no Ensino Médio, por exemplo, registrou queda na última edição (de 3,9 para 3,8, enquanto a meta era 4,6) e fez com que a rede perdesse a liderança que mantinha ao lado de Pernambuco, para ficar atrás também de Espírito Santo e Goiás.

Mas além de melhorar no Ideb, Rocha diz que São Paulo precisa ser competitivo em termos globais. “Por isso, negociamos nossa participação no Pisa para Escolas. Acertamos a participação de 300 colégios, que ainda serão definidos”, conta. De acordo com a Secretaria de Estado da Educação, os resultados fornecerão subsídios para tomadas de decisão.

Essa experiência de saber como os alunos estão comparados a estudantes de outros países, e de ter em mãos subsídios para melhorar a Educação foi importante para que o Centro Paula Souza decidisse bancar a participação no Pisa este ano.

Em 2017, quatro Etecs fizeram a avaliação a convite da Fundação Lemann, que selecionou 46 escolas públicas e privadas com bom desempenho em avaliações externas como o Enem e a Prova Brasil. As Etecs São Paulo, Guaracy Silveira e Jardim Ângela, na Capital, além da Etec de Novo Horizonte, tiveram desempenho superior ao de países como Finlândia, Japão e Canadá.

“Os resultados do exame contribuem para a identificação de lacunas de aprendizagem e o desenvolvimento de estratégias para superá-las” afirma a diretora-superintendente do Centro Paula Souza, Laura Laganá. “O relatório do Pisa foi utilizado para orientação de reuniões pedagógicas e de coordenação de cursos, além de contribuir para o planejamento de gestão das unidades”.