Economista aponta transformações no mercado de trabalho por conta da pandemia

Mestre em Administração e doutor em Sociologia Jefferson José da Conceição realizou palestra on-line a universitários de Guarujá

O cenário atual de enfrentamento da pandemia do novo coronavírus acelerou tendências que já estavam em curso no mercado de trabalho e que devem interferir, de modo permanente, na dinâmica das organizações corporativas. 

Essas são algumas das análises do economista, mestre em Administração e doutor em Sociologia Jefferson José da Conceição, que realizou palestra on-line a estudantes da Unaerp Guarujá. Ele fez uma análise de como o mercado está se adaptando e será modificado adiante.

Na atividade, acompanhada por alunos do curso de graduação em Administração e de pós-graduação em Gestão de Pessoas e Liderança da Unaerp Guarujá, o palestrante ressaltou que a situação atual tem trazido grandes mudanças organizacionais.

“São mudanças externas que obrigam o gestor à mudança (interna) e que trazem temor, mexem em culturas (organizacionais), onde há resistência. Mudanças são uma necessidade do mundo contemporâneo.”

Ajustes

Ele alerta que as organizações só sobrevivem se conseguem implementar processos de ajustes permanentes, diante da incerteza, ambiguidade, complexidade e volatilidade do mundo atual.

“As inovações têm sido recorrentes, e em ciclos mais curtos, trazendo maior desafio. Se o concorrente externo inova, seja por uma nova forma de relação com consumidor ou inovação tecnológica, isso pode fazer a empresa minguar ou desaparecer”, alerta Conceição, que é líder do Grupo de Pesquisa do Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura da Universidade Municipal de São Caetano (USCS). 

A quarentena, analisa o pesquisador, trouxe alterações na forma de consumir produtos e serviços, impactando as organizações e seus negócios.

“A pandemia nos obrigou a usar intensamente a tecnologia. Empresas como uma quitanda tiveram que resolver seus negócios via internet. Até para os bancos, que já tinham processos de digitalização, muitos clientes passaram a usar mais os apps. Este é um legado que veio para ficar”, ressaltou.

Momento 4.0

Outra questão em relação ao mercado de trabalho é a revolução 4.0, com nova forma de produção e de relação com a tecnologia, e que esses reflexos devem ser antecipados no pós-pandemia. 

Há, segundo ele, uma tendência de qualificação multidisciplinar, com os profissionais possuindo habilidades e competências para trabalhar novas tecnologias. Nesse cenário, o home office veio para ficar. 

Na avaliação de Conceição, toda essa conjuntura traz enorme desafio aos administradores e gestores de pessoas quanto à atração e retenção de profissionais para o dia a dia das empresas.

Para a coordenadora dos cursos da Unaerp Guarujá, Marcia Galinski, a atividade contribuiu para uma visão sistêmica da atualidade.

“Para ser um gestor estratégico, é fundamental ter uma visão ampla do cenário do mercado de trabalho e suas conjunturas. O professor Jefferson contribuiu com suas análises para aprimorar os conhecimentos dos estudantes”.

Tudo sobre: