EDIÇÃO DIGITAL

Quarta-feira

5 de Agosto de 2020

Doria pede ajuda a general Mourão para liberação da ponte que ligará margens do Porto de Santos

Governo do estado de São Paulo necessita da aprovação da União, já que estrutura deverá ser erguida em área federal

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), se reuniu com o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, na última terça-feira (22). Durante um almoço, o chefe do executivo paulista tratou de temas importantes para o estado. Entre eles, a construção da ponte que ligará as margens do Porto de Santos.

"Há mais de 80 anos que se trata esse assunto da ponte interligando o continente Santos a ilha do Guarujá, o destino turístico com maior movimento do estado de São Paulo. Nós conseguimos viabilizar, com a outorga da Ecovias, a implantação da ponte, sem investimento público. Investimento privado feito pela Ecovias. Na renovação do contrato, o governo de São Paulo abre mão de receber a outorga em dinheiro, em prol do investimento feito para implantação da ponte interligando o continente ao Guarujá. E, concluindo um sonho de mais de 80 anos dos que habitam dos dois lados", disse Doria, durante entrevista coletiva após o encontro, em Brasília.

O governador pediu o auxílio de Mourão para que a União dê a autorização para a construção da ponte, uma vez que o Porto de Santos, onde será erguida a estrutura, é uma área federal. No entanto, o tucano não deu mais detalhes sobre o posicionamento do vice-presidente.

A Reportagem tentou obter um posicionamento do gabinete da vice-presidência da República sobre o tema, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Sobre a ponte

O projeto elaborado pela Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes (SAI), estabelece que a ponte terá cerca de 7,5 quilômetros de extensão entre a entrada de Santos e o acesso à Ilha Barnabé (Área Continental), 85 metros de altura e 325 metros de largura entre os pilares no vão principal. Haverá pedágio, com valor não divulgado, e o custo previsto da obra é de R$ 2,9 bilhões.

Tudo sobre: