EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

16 de Novembro de 2019

Petroleiros se mobilizam em frente à Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão

Categoria aderiu a paralisação desde o último sábado (26) em defesa de benefícios aos trabalhadores

Petroleiros diretos e terceirizados paralisaram atividades na manhã desta segunda-feira (28) na Refinaria Presidente Bernardes, em Cubatão. Entre os motivos da mobilização está a privatização da Petrobras, o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e o preço do combustível, além de reivindicações regionais relacionadas à tabela salarial dos empregados terceirizados.

A mobilização dos trabalhadores é organizada pelo Sindicato dos Petroleiros do Litoral Paulista (Sindipetro-LP). A Tribuna Online noticiou na sexta-feira (25) que a categoria decidiu entrar em estado de greve no sábado (26). Os petroleiros não entraram na Refinaria, seguindo uma mobilização nacional.

Nesta segunda-feira (28) de manhã, o Sindipetro manteve a paralisação. Os trabalhadores que entrariam na refinaria às 7h se reuniram na porta e cruzaram os braços. O sindicato afirmou que cerca de 1 mil trabalhadores aderiram a paralisação.

"Os sindicatos locais, dos Petroleiros, da Construção civil e dos Metalúrgicos, têm uma tabela salarial, que é entregue pela Petrobras. Tem que fazer a licitações baseadas nela. E, algumas empresas estão burlando essa tabela. Eles praticam os valores abaixo da tabela e isso não vamos tolerar. Queremos que seja mantida a tabela salarial. Estamos falando também sobre a política do preço do combustível, que prejudica a população. A Petrobras tem ganhos altíssimos com isso", afirmou o presidente do Sindipetro-LP, Fábio Mello.

Funcionários e terceirizados não vão entrar na refinaria até que os sindicalistas consigam conversar com todos eles para poder passar todas as reivindicações.

Petroleiros cruzaram os braços em frente a Refinaria na manhã desta segunda-feira (28) (Foto: Divulgação/Sindipetro)
Tudo sobre: