EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

24 de Fevereiro de 2020

Estudante de Cubatão conquista bolsa de estudos em Yale

Laura Moço conta que processo seletivo incluiu duas cartas de recomendação, histórico escolar e três redações em Inglês

Estudante do 3º ano do Instituto Federal de São Paulo (IFSP) de Cubatão, Laura Moreira Cesar Souza Moço, de 16 anos, conquistou uma bolsa de estudos em Yale, conceituada instituição privada de Ensino Superior norte-americana. Ela descobriu o programa YYGS (Yale Young Global Scholars) por meio de uma amiga que estuda com ela, que, por sua vez, tomou conhecimento da iniciativa em uma palestra que tratava sobre oportunidades de estudo no exterior.

Laura conta que viu no programa uma oportunidade única de poder ampliar seu conhecimento, além de conviver com diversas culturas e jovens de todo o mundo. “Sempre admirei muito a Universidade de Yale, mas considerava um ‘sonho impossível’. Quando descobri sobre o curso de verão, no qual eu me encaixava no padrão para concorrer à vaga, percebi que não poderia deixar essa chance passar”, disse.

A estudante revela que o processo seletivo incluiu duas cartas de recomendação, histórico escolar e três redações sobre temas diferentes. “Em uma das redações, dissertei sobre a importância da educação para a redução da desigualdade econômica. As cartas de recomendação foram emitidas pela professora Rosa Maria Micchi e pelo o diretor de minha escola de Inglês, Degenal Vieira dos Santos, que além da carta de recomendação, me deu total apoio durante o processo seletivo”, comentou.

Laura diz que, além do processo seletivo padrão, se inscreveu para o programa “Financial Aid”, onde foi beneficiada com uma bolsa de estudos de 84%. “Para completar o processo seletivo, precisei abrir mão de minhas férias. Além disso, precisei lidar com minha autoconfiança, porém, decidi que deveria tentar e dar o meu melhor. E, no fim, minha perseverança surtiu efeito e o resultado foi o melhor possível”, relatou.

Laura recebeu carta de aprovação em 28 de março de 2019 (Foto: Laura Moreira Souza Moço/Arquivo Pessoal) 

Sobre o momento em que recebeu a notícia, Laura conta que não tem palavras para descrevê-lo. “Sinceramente, eu não esperava um resultado positivo, tanto que, por via das dúvidas, deixei para abrir o e-mail somente ao terminar uma avaliação da escola que tive no dia. Quando li a carta de aceitação, estava na escola e não pude controlar a emoção, foi realmente muita alegria”, falou.

Laura conta que, apesar de ser estudante de Informática, tem muito amor pelas áreas de Humanas e Biológicas. “Atualmente, possuo o desejo de trabalhar com pesquisas científicas voltadas a esta área. Acredito que o curso que estarei realizando em junho será importante para qualquer profissão que eu escolher seguir. Devemos sempre estar aprendendo cada vez mais como cuidar do meio ambiente, e também como preservar nossas relações sociais, impedindo que nossas desigualdades se elevem”, finalizou.

Apoio

Mas, como Laura mesmo comenta, um suporte essencial para sua aprovação foi o do professor Degenal Vieira dos Santos, de 53 anos. Ele conta que Laura se inscreveu no programa junto com alunos de mais de 120 países, além de ter concorrido com estudantes dos Estados Unidos. “A Laura sempre foi uma aluna dedicada, preocupada com seu futuro e focada nos estudos. Ela me pediu ajuda para escrever as três redações, todas em Inglês. Orientei e, por fim, corrigi as redações junto com ela”, revelou.

Degenal diz que foi muito gratificante ver o resultado final. “Como professor, fico muito feliz por ela. É para isso que trabalhamos com nossos alunos, para que eles alcancem seus objetivos de vida. Gostaria que essa conquista da Laura também motivasse outros alunos, para que acreditassem que qualquer sonho pode se tornar realidade”, disse.

O professor afirma que há muitas oportunidades de bolsas de estudos no Brasil e no exterior que muitos jovens não sabem da existência, e que, se soubessem, com certeza melhorariam como estudantes. “Disse à Laura que, a partir dessa bolsa, outras oportunidades surgirão. Orientei que ela procurasse junto à faculdade outros programas em que ela possa se envolver. As faculdades americanas procuram jovens com vontade de aprender e potencial para atuar nas mais diversas áreas. Eles procuram talento, e nossos jovens têm talento”, finalizou.

Tudo sobre: