Covid-19: Hospitais da Baixada começam a reprogramar cirurgias eletivas devido ao aumento de casos

O Governo do Estado tem orientado as unidades sobre a mudança de datas; a recomendação é para que seja analisado caso a caso

Diante do aumento de internações por conta do novo coronavírus nos últimos dias, o Governo do Estado vem orientando hospitais em relação à reprogramação de cirurgias eletivas. A recomendação é avaliar caso a caso. A Santa Casa de Santos, por exemplo, já está remanejando procedimentos não-urgentes para depois do dia 10 de dezembro e poderá fazer novas modificações, se houver agravamento no quadro.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal, GloboPlay grátis e descontos em dezenas de lojas, restaurantes e serviços!

O hospital vem registrando um aumento na demanda por leitos para casos de covid-19 desde o dia 11 de novembro, quando 49 pessoas (38 em enfermaria e 11 em UTI) estavam internadas. A partir daí, os números começaram a subir, registrando 87 ( 56 em enfermaria e 31 em UTI) no último sábado.

O Hospital Ana Costa informa que,desde esta segunda-feira (23), a prioridade no centro cirúrgico ficou com atendimentos de urgência e emergência, seguindo recomendação do Estado. “As cirurgias eletivas de baixa complexidade e pequeno porte serão reagendadas conforme disponibilidade dos médicos e pacientes”.

A Prefeitura de Santos informou que não serão agendados procedimentos eletivos entre os dias 6 e 31 de dezembro. “O panorama dos hospitais será avaliado semanalmente para que as cirurgias possam voltar a ser agendadas o quanto antes”, diz a Secretaria de Saúde, em nota.

Os procedimentos seletivos já agendados na rede municipal (Estivadores, Arthur Domingues Pinto, Santa Casa e Beneficência), entre cirurgias geral, ortopédicas, ginecológicas, entre outras, serão mantidos. Sesseta e um procedimentos estão programados até 5 de dezembro e serão mantidos.

Nos hospitais estaduais da região, Hospitais Guilherme Álvaro (HGA) e Regional Jorge Rossmann, em Itanhaém, o reagendamento ocorrerá a partir de avaliação médica individualizada. Nada muda em relação a urgência e emergência e atendimentos de alta complexidade, comunica a Secretaria de Saúde do Estado.

 “Essa medida é para garantir que existam leitos para acomodar as pessoas nessa fase de recrudescimento da pandemia, diz o infectologista e membro da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Renato Grinbaum.

Segundo o médico infectologista do Instituto Emílio Ribas de São Paulo e consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, Leonardo Weissmann, é necessário cautela e preparação do sistema de saúde novamente para esse aumento de casos. 

“É necessário que se tenha o maior número possível de leitos disponíveis para os pacientes com Covid-19. Não se sabe a magnitude que terá esse aumento de casos que se observa no momento”.

Mais municípios

Mongaguá não registrou ainda mudanças em agendamentos de cirurgias eletivas, que são feitas via Cross. Bertioga segue sem mudanças, porém, se necessário, adotará novas medidas. 

A Prefeitura de Itanhaém informou que os agendamentos para o mês de dezembro já foram realizados e os pacientes seguem realizando exames pré-operatórios. Guarujá, Praia Grande e São Vicente também não registraram alteração na agenda até o momento.

Peruíbe ainda não foi avisada sobre possíveis alterações. O Município realiza consultas para encaminhamento dos pacientes a hospitais do Estado, Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Praia Grande e Hospital dos Estivadores. Cubatão não cancelou cirurgias e tem 23 procedimentos agendados até o final do mês.

Tudo sobre: