EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

4 de Abril de 2020

Comportamento: As lições que você pode tirar em tempos de pandemia

Saiba o que fazer para cuidar de sua saúde mental durante crise provocada pelo coronavírus

“Vai passar”. Essa é uma das frases que tentamos disseminar – tão rápido quanto se alastra o coronavírus – como forma de manter a positividade e saúde mental. Vai passar, mesmo. Como acontece com tudo. O que temos de observar, dizem especialistas, é como nós – a humanidade – podemos aprender com isso e chegar melhor do outro lado desta travessia.

“Agora é hora de procurar o sentido da máxima ‘tudo tem seu lado bom’ ou ‘toda crise é uma oportunidade’. E nos agarrarmos a possibilidades de mudanças urgentes de comportamento e valores”, diz Isabel Marçal, presidente e cofundadora do Instituto Bem do Estar, entidade que investe em iniciativas relacionadas à saúde mental. 

>> Quais lições podemos tirar deste período de isolamento devido ao coronavírus

Isabel acredita que esse momento pode fortalecer solidariedade, respeito, empatia e despertar a responsabilidade individual com o coletivo e o consumo mais consciente. 

“Esperamos que esta pandemia nos ajude a perceber o grave perigo que representa a desunião global. Nós não somos uma ilha. E não é, somente, sobre proteger a si mesmo, mas ajudar a sociedade como um todo. É hora de pensar nos outros de fato”.

Além disso, a tão falada quarentena pode, segundo Isabel, nos fazer entender que o consumo exagerado não garante a satisfação das pequenas coisas, como abraçar, estar com alguém ou dar uma simples caminhada na praia.

Equilíbrio

Muitas vezes, pode parecer exatamente o contrário, mas a psicanalista Andrea Ladislau afirma que a pandemia pode ajudar a ter, inclusive, mais equilíbrio mental e racionalidade. 

“Pode ser uma excelente oportunidade para exercitarmos a nossa capacidade de enfrentamento das crises. Pode ser a grande chave do fortalecimento que precisamos para nos manter equilibrados, racionais e também ajudando os outros a seguir na mesma linha”. Para isso, diz ela, temos que aprender a nos unir na positividade, na esperança e no otimismo.

Com a crise e o isolamento, é possível, pensa Andrea, que pessoas passem a dar mais importância a detalhes que, até então, não valorizam. “A urgência do mundo tem exigido do ser humano uma entrega cada vez mais insana. Deixamos de lado nosso eu e esquecemos que somos feitos de energia, de carne e osso. O que não anda bem em nossa mente certamente irá se refletir em nosso corpo físico. Portanto, a oportunidade de fortalecimento e crescimento também está na maneira como passamos a encarar tudo isso e como vamos nos posicionar em nossa vida após essa pandemia, que exige novas atitudes, novos pensamentos e ações”, afirma.

Sem minimizar as dores, angústias e, até mesmo, perdas, o médico e psicólogo Roberto Debski acredita que, quando a pandemia passar, seremos melhores enquanto humanidade. “Tenho certeza de que, quando esse momento passar, teremos aprendido muitas lições”, diz.

Até porque, na avaliação do médico, muitas vezes nós adoecemos para repensar nossa maneira de viver e nosso estilo de vida. E, quando a doença é uma pandemia que afeta a todos, independentemente de local, gênero ou crença, as lições são várias. 

“Primeiro, devemos aprender que todos somos iguais. Outra lição é que a união nos fortalece, fora que nossos hábitos mudarão. Serão mais valorizados os momentos de refeições, de estarmos juntos, hábitos de higiene e financeiros. Vamos ver, daqui a alguns meses, quando essa pandemia passar, que muitos dos nossos hábitos mudaram para melhor”, antevê.

Tudo sobre: