EDIÇÃO DIGITAL

Segunda-feira

24 de Fevereiro de 2020

Cão de 17 anos é adotado por família e ganha ensaio de Natal em São Vicente: ‘Presente’

Haroldinho tem problemas de pele e coluna. Ele era o animal mais velho da Codevida e após muitos anos ganhou seu lar

Velhinho, com problemas de pele e coluna. Nada disso foi empecilho para que a empresária Mônica Aparecida Farjado, de 38 anos, escolhesse o animal mais velho da Codevida como novo membro de sua casa. Às vésperas do Natal, Haroldinho - de 17 anos - foi adotado e finalmente passará a data com uma família. 

O animal foi resgatado pela Codevida no Centro de Santos. Ele estava coberto por feridas, mal tinha pelos e quase não conseguia andar.

“Eu conheci o Haroldinho através das redes sociais. Decidi perguntar qual o animal mais antigo que estaria na Codevida, que não teria chances mais de sair e fosse o mais velhinho. No mesmo momento a gente começou a conversar pelo whatsapp e combinamos o encontro”, disse Mônica.

Haroldinho e sua família, incluindo os peludos  (Foto: Jana Ribeiro/ Arquivo Pessoal)

Ela conta que decidiu adotá-lo para tentar preencher uma lacuna que ficou ao perder seu cachorro Thor, de 20 anos, em abril deste ano. “Sempre fica aquela sensação de que poderíamos ter feito mais por ele, mesmo sabendo que fizemos tudo que estava ao nosso alcance. Ele se foi mesmo por velhice. E por este motivo nós decidimos adotar um cãozinho idoso também”, explicou.

A pedagoga conta que o senhor Haroldinho só acrescentou coisas boas para sua família. Mais alegria, mais felicidade, mais momentos de diversão. “Quando chegamos agora é mais um rabinho abanando. Tudo e toda mudança veio para um lado positivo’, revelou.   

Mas a linhagem não para por aí. O cãozinho tem mais três irmãos peludos: Pierre, Amora e Frederico.  Além dos “anjinhos”, como Mônica chama, Nick e Thor, que se foram e estão guardados no coração e escritos na história da família. 

Quando foi resgatado, Haroldinho mal tinha pelos e quase não conseguia andar. Hoje, vive feliz com sua família (Foto: Jana Ribeiro/ Arquivo Pessoal)

Sobre a idade avançada do cãozinho, a pedagoga não tem receios. “A única certeza é que todos nós vamos e eles também. Nós queremos aproveitar com ele o máximo e dar tudo que ele merece nesse curto tempo de vida que ele tenha, ou não”, considerou.

Natal e adoção responsável

Para quem quer adotar um amigo de 4 patas, Mônica deixa um recado. “Que as pessoas pensem com carinho e antes de adotar algum cão ou gato. Visitem um lugar [abrigo] para sentir a positividade, o amor que tem ali. E com certeza seu coração será tocado de alguma forma para que você seja presenteado. Pois o presente não é deles, é nosso, pois eles que encantam nossas vidas”, finaliza.

Tudo sobre: