EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

17 de Agosto de 2019

Prefeitura de Bertioga e Caixa firmam contrato para construção de 1.500 moradias

Empreendimento deve gerar mil empregos, diretos e indiretos

A Prefeitura de Bertioga firmou convênio com a Caixa Econômica Federal  para a construção de 1.500 moradias populares no bairro Jardim Raphael. A assinatura do contrato foi realizada neste domingo (4), no gabinete do prefeito Caio Matheus (PSDB).

No último dia 25, o chefe do Executivo já havia conseguido o “positivo” da Caixa para o início das obras. O investimento é de R$ 170 milhões, provenientes dos programas Minha Casa Minha Vida e Casa Paulista. A previsão de entrega é de 16 meses.

Segundo o superintendente regional da Caixa, Sidney Soares Filho, o Minha Casa, Minha Vida – Entidades é o maior projeto habitacional da Baixada Santista. “Ao longo de todo o programa, é também o primeiro e maior projeto contratado de uma só vez. É fantástico, porque é um projeto de entidades, que iniciou com aquisição do terreno em parceria entre Prefeitura e Governo do Estado”, disse.

Caio Matheus reassaltou que esta é a maior conquista da cidade. "É o maior empreendimento habitacional em início no Estado. É a maior conquista da história de Bertioga. A Cidade nunca recebeu um investimento dessa magnitude. É algo muito grande e vai ser difícil ter outro projeto tão grande em breve”, conclui.

Apartamentos

Os 1.500 apartamentos serão construídos em uma área localizada na altura do Km 218 da Rodovia Rio-Santos. As unidades terão dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço. O empreendimento é composto por 75 blocos de edifícios, com cinco pavimentos cada.

Serão cinco condomínios, com 15 blocos em cada um. Eles receberão nomes de plantas nativas da região como Flamboyant, Resedá, Quaresmeira, Ganandi e Claraíba. Os condomínios ainda vão contar com vagas de estacionamento privativas e para visitantes, área comum com salão de festas e playground.

As novas unidades atenderão famílias com renda entre zero e três salários mínimos. A seleção dos beneficiados foi feita de acordo com os critérios que priorizaram famílias em áreas de risco ou insalubres ou que tenham sido desabrigadas; famílias com mulheres responsáveis pela unidade familiar; e famílias de que façam parte pessoas com deficiência. Essas famílias estão cadastradas desde a época do lançamento do projeto, em 2014.