EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

10 de Julho de 2020

Baixada Santista não registra morte por Covid-19 nas últimas 24 horas

Região soma, agora, a marca de 22.246 casos de coronavírus

A Baixada Santista registrou mais 210 casos de coronavírus nas últimas 24 horas. No entanto, nenhum óbito ocorreu no mesmo período. Com as novas confirmações, a soma alcançou a marca de 22.446 casos de covid-19 na região. Já o número de vidas perdidas permanece em 948. Guarujá foi o único município que não atualizou os dados.

São Vicente puxou a fila dos novos casos na região, com 140 registros nas últimas 24 horas. Bertioga (19), Itanhaém (3), Mongaguá (4), Peruíbe (1) e Santos (43) foram os outros municípios com ocorrências. Ainda há 3.550 casos suspeitos na região, além de 66 mortes sob investigação. O número de recuperados na região desde o início da pandemia chegou a 15.322. 

Município que mais testou na região, Santos realizou 54.838 testes rápidos (sangue) até aqui, além de 18.432 testes PCR (coleta de secreção da nasofaringe – nariz e garganta).

A Prefeitura informou ainda que, ontem, 375 pacientes estavam internados com sintomas da covid-19. De acordo com as informações prestadas pelos hospitais públicos e privados à Secretaria Municipal de Saúde, é o menor número registrado desde 16 de maio, quando havia 362 internados. 

Em média, nas últimas semanas, a rede local possuía 420 pacientes internados nos leitos covid-19. No sábado, o número de pacientes chegou a 401 e, agora, com 375, a redução foi de 6,4% em 24 horas. 

Deste total, 192 são de Santos (51,2%) e 183 de outras cidades (48,8%). Já em relação aos casos mais graves, a maioria dos pacientes é moradora de outras cidades da região. Há 154 internados nos leitos de Unidade de Terapia Intensiva, 85 deles residentes de outros municípios (55,2%) e 69 de Santos (44,8%).

A taxa de ocupação hospitalar geral dos leitos covid-19 está em 42%, com 898 leitos disponíveis ontem. Entre os 312 leitos de UTI, a taxa de ocupação é de 49%, a menor desde 24 de abril. Na rede privada, a ocupação é de 65% e, no SUS, de 37%

Tudo sobre: