EDIÇÃO DIGITAL

Sábado

20 de Julho de 2019

Atenção à bagagem de mão para viagens de avião

Mala fora do padrão terá despacho cobrado

Os passageiros com embarque marcado para o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, devem ficar atentos ao que levar. Desde segunda-feira (13), estão valendo ali as novas regras para bagagem de mão em voos nacionais. Quem tiver a mala fora do padrão permitido terá de despachá-la no check-in da companhia e ficará sujeito a cobranças, conforme o tipo de franquia contratada.

No dia 23, a mudança chegará ao Aeroporto Internacional de São Paulo (Guarulhos), o mais movimentado do País. Os novos procedimentos já são aplicados em 13 dos 15 aeroportos brasileiros participantes da iniciativa.

Antes de embarcar, os passageiros devem verificar se o tamanho e o peso das bagagens estão dentro dos padrões das companhias. O consumidor terá o tamanho da mala verificado antes de passar pelo equipamento de raios X.

A ação visa a evitar que volumes com tamanho inadequado sejam embarcados como bagagem de mão – aquela que vai com o passageiro. Pode ser transportada na cabine e sem custo adicional uma bagagem com até 55 centímetros de altura, 35 de largura e 25 de profundidade – incluindo rodinhas e alça–, com até dez quilos.

Além da mala de mão, os passageiros podem levar apenas mais um item pessoal (uma bolsa, uma mochila para notebook, uma bolsa para bebê ou uma sacola com produtos comprados nas lojas do aeroporto) sem custo. Esse item deve ser guardado embaixo do assento do passageiro.

Segundo o Procon-SP, caso falte espaço no maleiro superior da cabine do avião, a bagagem de mão dentro dos critérios de triagem poderá ser despachada no compartimento de carga do avião sem cobrança. “As aeronaves não são projetadas para que todos os consumidores portem bagagens de mão”, destaca o coordenador do Procon Santos, Rafael Quaresma.

Padronização

Um gabarito estará disponível em todos os aeroportos do País. O passageiro que tiver bagagem com tamanho maior do que o permitido será redirecionado ao balcão de check-in de sua companhia, onde terá que pagar pelo despacho.

As dimensões foram padronizadas pelas empresas para melhor acomodação, conforto e segurança nos voos. Nas quatro principais companhias (Latam, Gol, Avianca Brasil e Azul), o valor da bagagem despachada acima dos limites permitidos varia de R$ 59,00 e R$220,00.

A nova regra decorre de autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que permite cobrar o despacho de bagagens no porão em voos domésticos. Desde 2017, quando a Resolução 400, do órgão, começou a valer, a única mala gratuita para o passageiro é a de mão – antes, permitia se despachar até duas malas com 23 quilos ao todo.

Desde que se instituiu a cobrança, as companhias aéreas nacionais se queixam dos transtornos causados por passageiros que exageram no tamanho da mala a bordo. Sem espaço suficiente para acomodá-las na cabine de passageiros, algumas delas precisam ser transferidas para o porão do avião, causando confusões e atrasos em voos.