Você conhece o TDPM? Psicóloga explica doença que causa depressão e afeta uma em cada 20 mulheres

O Transtorno Disfórico Pré-Menstrual causa alterações graves de humor, inclusive com risco de suicídio

Por: Cláudia Duarte Cunha  -  06/11/22  -  13:38
O TDPM, segundo a psicóloga Vanessa Jaccoud, provoca uma brusca oscilação de hormônios
O TDPM, segundo a psicóloga Vanessa Jaccoud, provoca uma brusca oscilação de hormônios   Foto: Adobe Stock

A tão conhecida TPM (Tensão Pré-Menstrual) pode provocar mais de 150 sintomas em 75% das mulheres. Porém, uma em cada 20 delas sofre de uma doença chamada TDPM (Transtorno Disfórico Pré-Menstrual), causada por uma alteração genética nos receptores de serotonina (neurotransmissor que regula o humor, o sono, o apetite e a dor), que provoca reações emocionais que se mostram desproporcionais aos eventos externos.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


De acordo com a nova versão do Manual de Diagnóstico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria, o TDPM é um subtipo de transtorno mental, que pode provocar crises depressivas, impulsividade, agressividade e irritabilidade extrema. Existe, inclusive, risco de suicídio e agressões físicas nessa forma grave de TPM.


Sintomas como dores de cabeça, inchaços, cólicas e dores no corpo, comuns no período que antecede a menstruação, podem ser aliviados com atividade física regular e hábitos alimentares adequados. No entanto, parte das mulheres que apresenta o quadro mais grave, que se caracteriza como um transtorno mental, tem necessidade de tratamento com especialista.


O TDPM, segundo a psicóloga Vanessa Jaccoud, provoca uma brusca oscilação de hormônios. “São como disparos, desníveis, próximos ao período pré-menstrual, que causam essas efusões, ou seja, extremo desconforto que culmina em episódios graves de raiva e severo desequilíbrio, o que acaba levando algumas mulheres ao estereótipo de louca ou descompensada”.


Tratamentos
Entre os tratamentos estão o uso de antidepressivos, que ajudam a aliviar a ansiedade e as alterações de humor, assim como o cansaço e a dificuldade para dormir.


A prescrição de anticoncepcional também pode ser uma opção de tratamento, já que regula os níveis hormonais durante todo o ciclo menstrual e reduz os sintomas da TDPM.


Os analgésicos aliviam a dor de cabeça, as cólicas menstruais e a dor nos seios.


Cálcio, vitamina B6 e magnésio também podem ajudar a amenizar os sintomas.


Mas, além desses tratamentos, é importante buscar manter um estilo de vida saudável, uma dieta equilibrada, praticar exercícios físicos pelo menos três vezes por semana, além de evitar o consumo de álcool e de cigarro.


Logo A Tribuna
Newsletter