Onyx diz que reforma da Previdência corrigirá privilégios e terá regime de capitalização

Futuro chefe da Casa Civil garantiu que o próximo governo será "constitucional, rigorosamente dentro da lei e terá segurança jurídica absoluta"

Por: Do Estadão Conteúdo  -  07/12/18  -  17:52
Atualizado em 07/12/18 - 18:11
Onyx também disse que o próximo governo vai atuar para melhorar o ambiente de negócios
Onyx também disse que o próximo governo vai atuar para melhorar o ambiente de negócios   Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O futuro ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, reafirmou nesta sexta-feira (7), que o governo de Jair Bolsonaro vai realizar as reformas da Previdência e do sistema tributário. Segundo ele, a equipe do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, está trabalhando em uma reforma previdenciária que corrija privilégios e permita um regime de capitalização que aumente a poupança interna. "Governo dará passo para trás para que os brasileiros possam dar muitos passos à frente", disse.


A declaração foi dada em evento do Lide, grupo de empresários fundado pelo governador eleito de São Paulo, João Doria. Foi o primeiro encontro de Onyx com representantes do setor privado após a eleição de Bolsonaro. Guedes também foi convidado, mas, segundo Onyx, está se recuperando de uma gripe. "Ele está em repouso. Precisamos do nosso Ronaldinho para quando começar o campeonato mundial", brincou.


O futuro chefe da Casa Civil garantiu que o próximo governo será "constitucional, rigorosamente dentro da lei e terá segurança jurídica absoluta". "O investidor internacional terá previsibilidade", prometeu. Com as reformas, ele disse, "o Brasil será o melhor país da América Latina para investir".


Onyx também disse que o próximo governo vai atuar para melhorar o ambiente de negócios, facilitando a abertura de empresas, com mais eficiência para o Estado e transformando o governo em "100% digital" ao final do mandato.


Ele reafirmou ainda que Bolsonaro disse na quinta-feira, em reunião com os ministros escolhidos, que vai adotar todas as medidas que julga necessárias, sem se preocupar com reeleição.


Logo A Tribuna