Aras defende marco legal do saneamento e pede que STF rejeite ações

Procurador-geral afirmou que as regras, em vigor desde julho de 2020, não ferem a Constituição

Por: Estadão Conteúdo  -  26/11/21  -  03:00
Procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu a manutenção da lei
Procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu a manutenção da lei   Foto: Roberto Jayme/TSE

Em julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) de ações que contestam o novo marco legal do Saneamento, o procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu a manutenção da lei e afirmou que as regras, em vigor desde julho de 2020, não ferem a Constituição, como alegaram partidos de oposição e empresas estaduais de saneamento à Corte.


Clique, assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe centenas de benefícios!


Para Aras, ao substituir o modelo de contratos fechados sem licitação pelo regime de concessão, em que a concorrência é obrigatória, o Legislativo atendeu ao comando constitucional e fez uma escolha mais adequada em relação ao quadro anterior. No STF, a associação que representa as estatais de saneamento quer que o tribunal permita o retorno dos contratos de programa, fechados diretamente com as prefeituras, sem licitação.


"Não há violação a universalidade do serviço público e da modicidade tarifária (...) Não verifico na lei violação ao princípio da segurança jurídica", ressaltou Aras, lembrando que os contratos atuais serão respeitados, desde que atendam às exigências legais.


Logo A Tribuna
Newsletter