EDIÇÃO DIGITAL

Sexta-feira

28 de Fevereiro de 2020

Polícia e PCC travam 'guerra' no Morro do José Menino, em Santos

Diante de moradores e sob a proteção de 'sentinelas' e comparsas armados, traficantes e viciados vendem e consomem drogas ostensivamente. Polícia diz 'enxugar gelo'

Cartão postal da região e acesso à plataforma de saltos de asa delta e paraglider, de onde se tem visão da orla santista e da Praia do Itararé, em São Vicente, o Morro do José Menino também possui cenário nada turístico.

Diante de moradores e sob a proteção de olheiros (sentinelas) e comparsas armados, traficantes e viciados vendem e consomem drogas ostensivamente. Acuados pela lei do silêncio imposta pelo crime, crianças, adolescentes, homens e mulheres da comunidade nada falam.

As polícias Civil e Militar realizam a prevenção e a repressão de crimes no morro, mas o crime organizado logo escala um substituto para quem é preso vendendo drogas. Quem atua no varejo do tráfico é mera peça de reposição para as cúpulas das facções.

“O nosso trabalho é o de enxugar gelo. O comando planeja constantes operações de saturação no Morro do José Menino, mas sempre encontramos nos mesmos locais traficantes e viciados”, diz um soldado da Polícia Militar.

Beneficiados pela topografia da área, os criminosos costumam receber a tiros os policiais. Alguns agentes já foram, inclusive, baleados. Os disparos também colocam em risco a vida dos moradores, principalmente quando há revide em legítima defesa.

A situação não se alterou nem com a captura de Thiago Santana da Costa, o 'Tigrão', de 33 anos, no último dia 9. Ele estava em um salão de cabeleireiros localizado na Avenida Presidente Wilson, próximo ao sopé do morro.

Acusado de pertencer ao Primeiro Comando da Capital (PCC) e apontado como um dos chefes do tráfico de drogas do Morro do José Menino, Tigrão foi preso por policiais da Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise).

Nada de irregular havia com Tigrão. Porém, os investigadores portavam a sua ordem de captura, expedida em razão de ele ser foragido do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Pacaembu, desde o dia 3 de janeiro de 2017.

Na última segunda-feira (25), policiais militares detiveram dois rapazes em uma escadaria do morro. Um deles trazia na cintura um pochete contendo seis cápsulas de cocaína e duas tiras de maconha. Com o outro, foi encontrada a ponta de um cigarro de maconha.

Segundo os PMs, em outra ocasião, eles viram a mesma dupla comercializar drogas no morro. Porém, naquela oportunidade, antes que os policiais se aproximassem do lugar, os bandidos fugiram.

O rapaz que portava a pochete negou ser traficante e disse que comprou as drogas no próprio morro para ele e o outro jovem consumirem, pois são viciados. O segundo acusado confirmou essa versão. Ambos foram liberados após a elaboração de termo circunstanciado (TC).

Mesmo com a prisão de Tigrão, um dos líderes do tráfico no Morro do José Menino, número de delitos não diminuiu (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Tudo sobre: