Pintor tenta estuprar viúva de 80 anos e foge pelado da casa da vítima em Itanhaém

Acompanhado de mais dois homens, um vizinho entrou na casa e flagrou o estuprador na cama com a idosa, que estava sem reação

Uma viúva de 80 anos foi vítima de tentativa de estupro em sua própria casa, em Itanhaém. Morador no mesmo bairro da vítima, o pintor de paredes José da Silva, o Índio, de 54 anos, invadiu a residência dela na segunda-feira (7) à noite, após pular um muro. Ele apenas não consumou a violência sexual devido à intervenção de testemunhas, que o fizeram fugir sem roupas. Depois, policiais militares o prenderam em flagrante.

A idosa contou que foi surpreendida por Índio na cozinha. O homem a levou à força para um quarto, onde tirou as roupas dele. Em seguida, o pintor tentou agarrar e beijar a viúva na cama. Neste momento, um morador das imediações suspeitou de que algo de errado acontecia na residência da vítima, porque havia uma bicicleta encostada na parte externa do muro e o cachorro da aposentada não parava de latir.

Acompanhado de mais dois homens, este morador entrou na casa. Eles flagraram Índio despido e deitado na cama da idosa, que estava sem reação. Assustado com a chegada inesperada, o pintor fugiu correndo nu. O acusado abandonou na casa bermuda preta com listras verticais brancas, cueca preta e carteira contendo R$ 100,00, documentos pessoais e uma conta de energia elétrica com o seu endereço.

Policiais militares foram acionados e se dirigiram à casa de Índio, situada próximo à residência da idosa. O pintor somente atendeu depois de muita insistência dos PMs. De modo informal, negou o crime, mas recebeu voz de prisão devido aos relatos da vítima e das testemunhas. Neste momento, o acusado ofereceu resistência, sendo necessário o emprego de força física para algemá-lo e conduzi-lo à Delegacia Seccional de Itanhaém.

O delegado Rodrigo Saretta Veríssimo ratificou a prisão dada pelos PMs e autuou Índio em flagrante por tentativa de estupro, principalmente porque pesquisa de antecedentes revelou que ele já possui passagem por este tipo de crime. As roupas e a carteira do acusado deixadas na moradia da idosa ficaram apreendidas. Em seu interrogatório, o pintor nada respondeu. Alegou que apenas se manifestará perante um juiz.

Tudo sobre: