EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

29 de Março de 2020

Ladrão finge querer ajudar e furta celular de mulher acidentada em Santos

Vítima havia caído de motocicleta no José Menino, quando teve seu celular furtado por homem que ofereceu solidariedade

Bandidagem disfarçada de solidariedade. Ao se aproximar de uma vítima de acidente de trânsito com o suposto propósito de ajudá-la, um homem a convenceu a abrir a bolsa e pegar o celular para algum familiar dela ser avisado. Ferida e sentada no meio-fio, a mulher que havia acabado de cair de sua moto concordou. Foi o suficiente para ele tomar o aparelho e fugir. Dois populares detiveram o ladrão momentos depois. Procurado da Justiça, ele está condenado a 13 anos e seis meses de reclusão.

O caso aconteceu na sexta-feira (20) à noite, em Santos. Uma farmacêutica de 36 anos pilotava a sua Honda CG 125 pela Avenida Presidente Wilson, no José Menino, e caiu após o veículo derrapar. Ferida nas pernas, ela sentou-se no meio-fio à espera de socorro. Algumas pessoas se aproximaram para auxiliá-la, entre elas Luiz Fernando de Oliveira Santos, de 39 anos. Com o argumento de que poderia ligar para algum parente da vítima, ele a convenceu a pegar o celular na bolsa.

Mal a bolsa foi aberta, Luiz Fernando pegou celular e correu do calçadão da orla até a faixa de areia. Dois homens o perseguiram e o capturaram, recuperando o aparelho. Conduzido à Central de Polícia Judiciária (CPJ), o bandido foi autuado em flagrante por furto pelo delegado Marcelo Gonçalves da Silva e recolhido à cadeia. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) levou a farmacêutica à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Central, sendo ela medicada e liberada.

Tiros e paraplegia

Pesquisa de antecedentes revelou que o Tribunal do Júri de Atibaia (SP) condenou Luiz Fernando por dupla tentativa de homicídio qualificado, sendo-lhe aplicada pena de 13 anos e seis meses, em regime inicial fechado. O julgamento ocorreu no dia 16 de abril do ano passado, mas o crime foi cometido em 8 de maio de 2003 contra dois homens, que são irmãos. As vítimas foram baleadas e uma delas ficou paraplégica. O réu se irritou porque a sua namorada foi cumprimentada pelo homem que perdeu os movimentos.

Tudo sobre: