EDIÇÃO DIGITAL

Quinta-feira

4 de Junho de 2020

Justiça solta padre preso em flagrante por estupro e pedofilia em Guarujá

Anderson de Moraes Domingues, de 43 anos, foi flagrado com um menino de 14 dentro de um banheiro do Shopping La Plage

O juiz Edmilson Rosa dos Santos, da 3ª Vara Criminal de Guarujá, acolheu pedido da defesa do padre Anderson de Moraes Domingues, de 43 anos, e revogou a sua prisão preventiva. Acusado de pedofilia contra dois meninos no Shopping La Plage, na Praia de Pitangueiras, o religioso foi solto do Centro de Detenção Provisória (CDP) IV de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo.

O Ministério Público (MP) denunciou o padre por favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável, mas se manifestou favorável ao pedido da defesa. O crime é punível com reclusão de quatro a dez anos. Segundo o advogado Gilmar José Mathias do Prado, o cliente é primário, possui residência fixa e exerce ocupação lícita, não representando a sua liberdade prejuízo ao andamento normal do processo.

Ao determinar soltura do réu, o juiz lhe impôs o cumprimento das seguintes medidas cautelares: proibição de frequentar determinados lugares para evitar o risco de novas infrações, obrigação de estar em casa durante o período noturno e impedimento de se ausentar da comarca. O padre ainda não foi interrogado em juízo. Ao ser autuado em flagrante na Delegacia Sede de Guarujá, ele optou por permanecer calado.

Por causa do segredo de justiça do processo, o advogado nada declarou. Apenas confirmou que o cliente já foi solto do CDP IV de Pinheiros e continua afastado das funções religiosas. Anderson atuava na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no Parque Ipê, extremo da Zona Sul da Capital.

Por meio de nota, a Diocese de Campo Limpo, à qual pertence a igreja, informou que “serão tomadas, no âmbito eclesiástico, as medidas cabíveis segundo o Código de Direito Canônico e as atuais orientações do Papa Francisco, não compactuando, de forma alguma, com o comportamento do referido padre”.

Porta arrombada

O padre Anderson foi preso no início da noite de 9 de dezembro de 2019. Dois seguranças do La Plage o flagraram com um menino de 14 anos dentro de uma das cabines do banheiro do centro de compras. A porta da cabine estava trancada por dentro e os funcionários tiveram que arrombá-la.

As testemunhas relataram que o padre estava com a calça abaixada e, à força, agarrava o menino e encostava o órgão genital nas nádegas dele. A vítima também estava despida. Outro garoto, de 13 anos, também havia sido abordado pelo religioso, mas não entrou com ele no banheiro do shopping.

De acordo com os meninos, eles vendiam balas na rua em Guarujá e o padre os convidou para tomar “milkshake” no La Plage. O delegado Caio Azevedo de Menezes autuou Anderson por estupro e favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável. A denúncia do MP afastou o primeiro crime, porque o segundo o engloba.

Tudo sobre: