Necrópsia encontra lixo no intestino de pinguins recolhidos na Baixada Santista

Falta de alimentos e resíduos descartados incorretamente contribuem para morte dos animais

Estudos realizados pelo Instituto Gremar apontam que pinguins-de-magalhães, recolhidos sem vida entre junho e agosto na Baixada Santista, ingeriram resíduos sólidos, que foram encontrados no trato gastrointestinal dos animais.

Assine o Portal A Tribuna agora mesmo e ganhe Globoplay grátis e dezenas de descontos!

Por um período de quase dois meses, o instituto resgatou 402 pinguins em Santos, São Vicente, Bertioga e Guarujá. Desses, 122 foram encontrados mortos.

A maioria dos que foram resgatados com vida apresentavam grave estado de saúde. Além de ferimentos leves e presença de lixo no intestino, eles também apresentavam magreza, desidratação e sinais de exaustão.

Segundo os estudos, a escassez de alimento é um dos motivos para o ocorrido, que força os pinguins a procurarem outra fonte para se alimentar. Há também o descarte incorreto de resíduos no mar, como plástico, isopor, pedaços de corda e borracha.

Tudo sobre: