Praga em lavoura de cacau decreta emergência fitossanitária em 3 estados

Objetivo é reforçar medidas de prevenção, e evitar a dispersão do fungo para outras áreas

Por: Agência Brasil  -  07/08/21  -  04:15
 Medida se aplica ao Acre, Amazonas e Rondônia
Medida se aplica ao Acre, Amazonas e Rondônia   Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A ocorrência de pragas em lavouras de cacau levou o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a decretar estado de emergência fitossanitária em três estados da Região Norte. A portaria com a decisão foi publicada nesta sexta-feira (6), no Diário Oficial da União (DOU) e inclui Acre, Amazonas e Rondônia. A duração do estado de emergência será de um ano. De acordo com o ministério, o objetivo é reforçar medidas de prevenção e evitar a dispersão da praga para outras áreas de cultivo.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


"No mês passado, um foco da praga foi detectado em área residencial urbana no município de Cruzeiro do Sul, interior do Acre. O estado de emergência fitossanitário para monilíase do cacaueiro incluiu o Amazonas e Rondônia por serem as unidades da federação que fazem fronteira com o Acre", informou a pasta.


A monilíase do cacauerio, causada pelo fungo Moniliophthora roreri, é uma das mais sérias doenças do cacau, infectando os frutos em qualquer fase de desenvolvimento e, em condições favoráveis, pode causar perdas de até 100% da produção.


Acre sob quarentena


Outra medida decretada pelo ministério, no dia 5, foi colocar o Acre como estado "em área sob quarentena", para dar maior suporte às ações de fiscalização de trânsito de vegetais executadas pelas agências estaduais competentes.


"Desde a confirmação da ocorrência da praga, equipes compostas por profissionais do Mapa, do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf-AC), da Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron-RO), da Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf-AM), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e da Universidade de Brasília (UnB) estão no município executando uma varredura completa na área considerada como de maior risco de detecção de possíveis novos focos da praga", disse o Mapa.


O ministério informou também que nos próximos dias será publicado um ato complementar com o detalhamento das medidas a serem adotadas por cada estado, conforme o nível de risco e particularidades. As medidas podem englobar desde ações específicas relacionadas à fiscalização do trânsito de plantas hospedeiras, ao manejo preventivo da praga em áreas produtivas, campanhas de educação fitossanitária, mapeamento e eliminação de plantas, entre outras.


Tudo sobre:
Logo A Tribuna
Newsletter