Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Governo pede à AstraZeneca rapidez na remessa de vacinas

Ministro enviou carta pedindo que a empresa acelere entrega de insumos e vacinas para o combate da Covid-19

Por: Da Agência Brasil  -  09/02/21  -  00:26
Ministro afirma que o governo apostou na empresa para desenvolver uma resposta eficaz ao vírus
Ministro afirma que o governo apostou na empresa para desenvolver uma resposta eficaz ao vírus   Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, enviou uma carta ao sócio majoritário da AstraZeneca, Marcus Wallenberg, pedindo para que a empresa acelere o envio de insumos e vacinas para o combate da covid-19 no Brasil. O documento será avaliado pelo conselho da corporação.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


Esse foi a formalização de um pedido feito pessoalmente à Wallenberg durante encontro de ambos na sede da Ericsson. O ministro das Comunicações brasileiro está na Suécia em missão para conhecer os fabricantes que detém a tecnologia 5G.


Na carta, o ministro comenta que o governo brasileiro apostou na empresa para desenvolver uma resposta eficaz ao vírus. Ele finaliza o documento pedindo celeridade na entrega das vacinas e insumos.


Faria também diz na carta que o governo brasileiro começou a vacinação em todo o país em janeiro e, até agora, 3 milhões de pessoas já foram vacinadas contra o coronavírus. No entanto, é um grande desafio vacinar uma população de 220 milhões de pessoas e em um território de 8,5 milhões de metros quadrados. Ele também citou o acordo de cooperação da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com a AstraZeneca para a produção de 100 milhões de doses de vacina.


"Dentre uma dezena de possibilidades, o governo brasileiro apostou na Astrazeneca esforços para pesquisar e desenvolver uma resposta eficaz ao vírus. Brasil ainda apóia a cooperação com a Suécia para aumentar sua capacidade nacional de produção de vacinas", diz a carta.


Logo A Tribuna