Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

'Essa de 50% é uma boa vacina ou não?', provoca Jair Bolsonaro

O presidente do país afirmou nesta quarta-feira (13) a apoiadores estar há quatro meses "apanhando por causa da vacina"

Por: Do Estadão Conteúdo  -  13/01/21  -  18:28
Apesar de defensor, o próprio presidente lembrou que a droga não tem eficácia comprovada
Apesar de defensor, o próprio presidente lembrou que a droga não tem eficácia comprovada   Foto: Carolina Antunes/PR

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira (13) a apoiadores estar há quatro meses "apanhando por causa da vacina" e disse, sobre o anúncio de ontem do Instituto Butantan sobre a eficácia da Coronavac, que agora "estão vendo a verdade" "Essa de 50% é uma boa vacina ou não? O que eu apanhei por causa disso, agora estão vendo a verdade. Eu estou há quatro meses apanhando por causa da vacina. Entre eu e a vacina tem a Anvisa. Eu não sou irresponsável, não estou a fim de agradar quem quer que seja", afirmou o presidente a apoiadores nesta manhã.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Ontem, o Instituto Butantan, ligado ao governo paulista de João Doria (PSDB) e que desenvolve a Coronavac em parceria com a chinesa Sinovac, anunciou que a taxa de eficácia geral da vacina contra o novo coronavírus é de 50,38% para prevenir sintomas muito leves da doença. Na semana passada, o instituto já havia anunciado que a eficácia para sintomas leves é de 78% e para graves, de 100%.

No próximo domingo (17), está previsto que conselho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) delibere sobre o uso emergencial da Coronavac e também sobre o imunizante da Oxford/AstraZeneca, que será distribuído no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Em resposta a um apoiador que disse ser da Fiocruz "a vacina certa", Bolsonaro respondeu que será a certa "a vacina que passar pela Anvisa, seja ela qual for". "Já temos um crédito de R$ 20 bilhões para comprar isso daí", completou.


Logo A Tribuna