Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Anvisa dá autorização para distribuição de oxigênio com pureza menor em Manaus

Capital registrou falta do produto em vários hospitais, causando mortes por asfixia

Por: Do Estadão Conteúdo  -  15/01/21  -  17:48
Outro carregamento com 4 mil metros cúbicos de oxigênio teria saído de Guarulhos, em São Paulo
Outro carregamento com 4 mil metros cúbicos de oxigênio teria saído de Guarulhos, em São Paulo   Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu autorização excepcional para que a White Martins, empresa que fornece oxigênio para o Amazonas, produzisse a substância com grau de pureza 95%, abaixo dos 99% habituais. A permissão foi dada na tarde da quinta-feira, 14, quando a capital Manaus registrou falta do produto em vários hospitais, o que causou a morte de pacientes do coronavírus por asfixia.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


A medida veio após um esforço conjunto de negociações entre a Procuradoria-Geral da República, o Ministério da Saúde, as Forças Armadas, além da Anvisa e da White Martins. Em nota, a PGR afirma que os primeiros carregamentos de oxigênio começaram a chegar em Manaus ainda na manhã desta sexta-feira, 15.


De acordo com o órgão, a White Martins "se comprometeu a viabilizar o fornecimento do produto por meio de carretas vindas da Venezuela". Na noite de ontem, o presidente venezuelano Nicolás Maduro já havia autorizado a carga a sair do País. "Por instruções de Maduro, conversei com o governador do Amazonas, Wilson Lima, para colocar imediatamente à disposição o oxigênio necessário para atender a contingência sanitária em Manaus. Solidariedade latino-americana antes de tudo!", afirmou o chanceler chavista Jorge Arreaza, em suas redes sociais.


Outro carregamento com 4 mil metros cúbicos de oxigênio teria saído de Guarulhos, em São Paulo, na noite de quinta, com o apoio logístico das Forças Armadas. Em nota, a Anvisa confirmou que a autorização emergencial de oxigênio com 95% de pureza foi concedida para as unidades da rede estadual de Saúde do Amazonas pelo prazo de 180 dias, sob duas condições: que a pureza correta do produto fosse informada aos profissionais e serviços de saúde e que a distribuição cessasse "assim que a situação for normalizada".


Pesquisadora da Faculdade de Engenharia Química da Unicamp, Luisa Fernanda Rios Pinto explica que a taxa de pureza menor que a habitual não tem grandes efeitos negativos para a administração em humanos. "Normalmente, o oxigênio que respiramos já tem outros componentes, como o nitrogênio, que tiramos para deixá-lo mais puro. Na taxa de 95%, isso é tão minoritário que não vai influenciar muito na composição do que você está respirando."


Luisa explica que geralmente as produções de oxigênio hospitalar são feitas pela purificação do ar que a gente respira, composto geralmente por 21% de oxigênio e, em proporção majoritária, 78% de nitrogênio, além de outros gases. "O que essas empresas fazem é fracionar o ar que a gente respira nos componentes desses gases. Geralmente, o hospitalar é 99,5% de pureza, mas os outros 5% são constituídos pelos gases que respiramos, como nitrogênio, argônio e outros menores, como o carbônico."


A taxa de 95%, ela afirma, não chega a ser prejudicial. "Claro que não é tão puro, e tem essa impureza de 5%, mas são gases que a gente já respira e encontra na atmosfera", conclui.


Logo A Tribuna