Logo A Tribuna
ASSINE
Icone usuario ENTRAR
CLUBE IMPRESSO ACERVO ASSINANTE

Cuca diz que fez um dos melhores trabalhos da carreira no Santos

Nas duas primeiras, em 2007 e 2018, o treinador afirmou que deixava a Vila Belmiro com o sentimento de ter uma dívida a ser paga

Por: Bruno Lima  -  22/02/21  -  01:02
Treinador viajará para Curitiba, onde cuidará da mãe e de uma das filhas
Treinador viajará para Curitiba, onde cuidará da mãe e de uma das filhas   Foto: Matheus Tagé/AT

Após o empate por 1 a 1 com o Fluminense, na Vila Belmiro, o Santos comunicou a saída do técnico Cuca. E, em entrevista coletiva após a partida, o treinador afirmou que deixa o clube satisfeito e com um dos melhores trabalhos já realizados.
Essa foi a terceira passagem de Cuca pelo Santos. Nas duas primeiras, em 2007 e 2018, o treinador afirmou que deixava a Vila Belmiro com o sentimento de ter uma dívida a ser paga, pois, na primeira oportunidade foi demitido em um curto espaço de tempo, e na segunda saiu sem conseguir a classificação para a Libertadores.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


“Saio muito contente com o trabalho, que foi muito árduo e difícil, mas, ao mesmo tempo, compensatório. As coisas foram feitas com prazer. Na minha apresentação, falei que sentia que aqui era um lugar para fazer o trabalho aparecer e ele apareceu. Principalmente pelos jogadores, que me entenderam em todos os sentidos. Nós formamos mesmo uma família, e, no futebol, isso não é fácil de fazer. Brotaram muitos filhos (risos), que são os meninos, que naturalmente foram amadurecendo e nos levaram à final da Libertadores, onde perdemos em um lance isolado, mas poderíamos ter vencido. Saio muito próximo de atingir o objetivo, que é ir para a pré-Libertadores. Então, diante de tudo isso, acho que o trabalho foi muito bem feito”.


Cuca também se despede convencido de que essa terceira passagem pela Vila Belmiro entrou para a galeria dos melhores trabalhos da carreira.


“Foi um trabalho prazeroso. Ele é muito cansativo em todos os sentidos porque eu me cobro muito. Perdoo todo mundo, mas não me perdoo. Sempre busco motivo por não ter feito isso ou aquilo, ter sido expulso, colocar esse ou aquele. Sou assim e não adianta. Foi um dos melhores trabalhos da minha profissão porque jogamos um grande futebol em alguns momentos, como contra Boca e Grêmio. Isso deixa a gente feliz", concluiu o treinador, que viajará para Curitiba, onde cuidará da mãe e de uma das filhas, internadas com covid-19.


Logo A Tribuna