Paralimpíada inspira jovens com deficiência, diz presidente do comitê

Andrew Parsons disse que paralimpíada é um sonho que vai realizar, mas com cuidados devido à pandemia

Por: Agência Brasil  -  24/08/21  -  02:30
 A Paralimpíada de Tóquio começa nesta terça-feira (24)
A Paralimpíada de Tóquio começa nesta terça-feira (24)   Foto: Fabio rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente do Comitê Paralímpico Internacional, Andrew Parsons, disse nesta segunda-feira (23), que os Jogos Paralímpicos inspiram crianças e jovens com deficiência a se interessarem pelo esporte e acreditarem ser possível se tornar um atleta de alto rendimento ao verem, na televisão, atletas paralímpicos competindo e ganhando medalhas pelo Brasil. A Paralimpíada de Tóquio começa nesta terça-feira (24), com o Brasil sendo representado por 259 atletas em 20 das 22 modalidades.


Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!


“Eu lembro quando Clodoaldo [Silva, nadador medalhista paralímpico brasileiro] surgiu em 2004, muito forte, seis medalhas de ouro e uma de prata, e a gente teve uma repercussão no Brasil muito grande. Primeira Paralimpíada transmitida ao vivo e uma geração de pessoas com deficiência se interessando pelo esporte.” O presidente do comitê disse que nem todas vão ser atletas paralímpicos e disputar medalhas, mas se elas começarem a praticar atividade física para a saúde, como lazer e para conhecer outras pessoas com hábitos saudáveis, será muito importante.


Parsons, que é brasileiro, disse que é fundamental que a mídia fale e faça a cobertura da Paralimpíada, falando de atletas paralímpicos e sobre “outros atletas que também fazem outro tipo de maluquice na área do esporte”. “[Isso] mostra que as barreiras estão na cabeça das pessoas, mostra que, se der as oportunidades e condições, é possível que uma pessoa com deficiência pratique, sei lá, montanhismo, pode voar de balão, pode mergulhar no mar, pode fazer o que quiser. As condições têm que estar ali e é isso que temos que garantir”, disse.


O presidente do comitê disse que realizar a paralimpíada é um sonho que ele vai realizar, mas com cuidados diferentes devido à pandemia. “Fundamentalmente estamos focados em como realizar para que esses Jogos sejam seguros, que o coronavírus não seja o grande protagonista dessa edição dos Jogos, mas tenha um legado muito grande. Ainda que a gente não tenha uma presença de público definida, com a audiência ao redor do mundo é que a gente pode mudar a percepção acerca das pessoas com deficiências”, disse.


Para Parsons, seu maior objetivo é que “com a Paralimpíada eu possa mudar a vida de 1 bilhão de pessoas com deficiência no mundo.”


Logo A Tribuna
Newsletter