EDIÇÃO DIGITAL

Domingo

19 de Maio de 2019

Guarujá está fora da Segunda Divisão do Paulista 2019 e tem futuro incerto

Sem resolver situação do estádio Antônio Fernandes, Tubarão deve entrar em campo apenas com categorias de base na próxima temporada

O futuro da Associação Desportiva Guarujá (ADG) ainda é um mistério até mesmo para quem trabalha no clube. A Reportagem teve acesso a pessoas próximas à diretoria que confirmaram a incerteza acerca dos próximos passos da instituição.

Parado desde a desclassificação da Segunda Divisão do Campeonato Paulista - equivalente ao quarto patamar do futebol no estado -, em maio deste ano, quando a Federação Paulista de Futebol (FPF) eliminou a equipe por problemas em seu estádio, o Tubarão não entrou mais em campo com sua equipe principal e segue em busca da regularização do Estádio Municipal Antônio Fernandes.

O imbróglio envolvendo o campo é uma dor de cabeça antiga da ADG. Reformado por aproximadamente R$ 15 milhões com verbas públicas para servir de CT para a seleção da Bósnia na Copa do Mundo de 2014, o estádio está interditado por determinação judicial desde abril de 2017 por não atender às exigências de acessibilidade impostas. 

Neste ano, com alvará dos Corpo de Bombeiros, válido até fevereiro de 2019, a ADG conseguiu a vaga para a disputa da Segundona. No entanto, após a FPF tomar conhecimento da interdição imposta pelo Ministério Público, uma portaria foi divulgada pela Federação com a seguinte notificação:

"Considerando que, muito embora esta Federação não tenha sido notificada oficialmente a este teor, demonstra-se medida de prudência o seu devido acatamento".

Com isso, a ADG não foi autorizada a trocar de mando de campo, mesmo com apoio da Portuguesa Santista, que liberou o Ulrico Mursa para o clube de Guarujá. Assim, após três derrotas por W.O., a Federação desclassificou a equipe.

Liberação e Segundona

Conforme apurado por A Tribuna On-Line, a promotoria de Guarujá aceitou fazer um Termo de Ajustamento e Conduta (TAC) para reverter a situação do estádio. Contudo, como um processo foi gerado após o imbróglio deste ano, o clube terá que esperar a chegada do mesmo para despachá-lo e assinar o TAC.

Para 2019, a ideia do clube é seguir fortalecendo sua base, caso a parceria com a Secretaria de Esportes do município continue. Já a equipe principal deve ficar mais um ano fora da Segundona, já que não há mais tempo de pedir uma intenção de vaga à FPF.