Corinthians acumula dívidas de quase R$ 1 bi, aponta balanço financeiro do clube

Os números foram analisados pela empresa de consultoria RSM em um documento com 50 páginas

Assim como todos os clubes do Brasil e do mundo, o Corinthians também sofre com suas dívidas financeiras. No último final de semana, o time do Parque São Jorge divulgou o balanço financeiro de 2020 e os números impressionam: a dívida está na casa dos R$ 957 milhões, ainda sem colocar no cálculo os gastos com a construção de seu estádio em Itaquera. Os números foram analisados pela empresa de consultoria RSM em um documento com 50 páginas.

Clique e Assine A Tribuna por apenas R$ 1,90 e ganhe acesso completo ao Portal e dezenas de descontos em lojas, restaurantes e serviços!

Comparando com os quadros demonstrativos publicados em 30 de setembro de 2020, os números eram de: ativo circulante de cerca de R$ 296 milhões, com um total de endividamento em aproximadamente R$ 824 milhões. Comparando com os dados de 2019, houve um aumento de R$ 40 milhões. Este números mais detalhados estão publicados no site oficial do Corinthians, na área de "transparência".

Dentre os gastos mais expressivos estão: parcelamento de débitos atrasados, responsável por R$ 300 milhões desta fatia, além de despesas a serem cumpridas, pagamento de fornecedores e direitos de imagens de atletas. Estes três montantes somados totalizam, aproximadamente, R$ 600 milhões. Em 2020, o Corinthians conseguiu arrecadar cerca de R$ 350 milhões, somando venda de jogadores e direitos de transmissão de jogos. Os dois fatores foram severamente afetados pela pandemia do novo coronavírus.

Ao todo, em 2020, o time alvinegro teve receita bruta de cerca de R$ 474 milhões, sendo R$ 440 milhões provenientes do futebol e R$ 34 milhões com origem no clube social. Porém, comparado com 2019, a venda de jogadores no ano passado foi mais lucrativa. Somente Pedrinho, vendido ao Benfica, de Portugal, rendeu aos cofres aproximadamente R$ 117 milhões. Para a negociação, o Corinthians chegou a aceitar a diminuição do valor, que inicialmente era de R$ 131 milhões. Na época, uma variação de 2 milhões de euros. A primeira parcela, porém, só chega em agosto deste ano.

Tudo sobre: