Animais do Parque Ecológico Voturuá, em São Vicente, recebem picolés para aguentar o calor

Todos os bichos que vivem no equipamento recebem o 'agrado' uma a duas vezes por semana

Por: Verônica Sampaio & De A Tribuna On-line &  -  12/01/19  -  16:57
Animais se alimentam com picolés no calor
Animais se alimentam com picolés no calor   Foto: Cesar Morgado/PMSV

Os visitantes que comparecerem ao Parque Ecológico Voturuá, em São Vicente, poderão se surpreender com a forma inusitada encontrada para refrescar os animais do local: picolés. Para os dias mais quentes, como os das últimas semanas, essa é uma maneira de manter a saúde e o bem-estar dos bichos, e ainda entretê-los com o alimento.


Segundo a bióloga responsável pelo projeto, Carla Cerqueira, os picolés são naturais, feitos com frutas e legumes congelados. Cada animal possui um cardápio específico, sendo necessário identificar qual alimento eles preferem. Os picolés de frutas vão para as aves e jabutis, já os leões recebem picolé de sangue, enquanto o hipopótamo, conhecido como Ramón, tem o maior de todos, com frutas e verduras.


Picolés são feitos e congelados de um dia para o outro
Picolés são feitos e congelados de um dia para o outro   Foto: Cesar Morgado/PMSV

Os picolés são feitos em diversos formatos e variam em tamanho, dependendo do animal. Eles são congelados de um dia para o outro e oferecidos no máximo uma ou duas vezes por semana. A bióloga alerta que “não pode exagerar, em excesso pode dar dor de garganta”. Os únicos bichos que não ganham picolés são a coruja e o carcará, que não apreciam muito o produto.


Segundo a profissional, um animal que nunca havia experimentado o picolé de frutas foi a iguana, que se mostrou bem receptiva e satisfeita ao receber do tratador a guloseima. A ideia vem sendo utilizada há alguns anos, e é uma prática comum em muitos zoológicos.


Únicos bichos que não ganham picolés são a coruja e o carcará
Únicos bichos que não ganham picolés são a coruja e o carcará   Foto: Cesar Morgado/PMSV

Carla conta que, além de ficarem mais refrescados, os animais demoram mais tempo para se alimentar. “Eles esperam o picolé descongelar, dá um pouco mais de trabalho, o que acaba entretendo o animal e gera o bem-estar do mesmo”.


Além do picolé, é importante se atentar à área de sombreamento para os animais, e aumentar a dieta com frutas que tenham mais água, como melão e melancia. Colocar sempre água bem fresca nos bebedouros, e não deixar que fiquem muito tempo expostos ao sol.


A bióloga conta que os picolés também podem ser feitos para os animais de casa. Cães, gatos e até papagaios podem receber o alimento, baseado em frutas e legumes que os bichos já estejam habituados a comer. “Ótima dica para o verão”, comenta.


Picolés ajudam a manter a saúde e bem-estar dos animais
Picolés ajudam a manter a saúde e bem-estar dos animais   Foto: Cesar Morgado/PMSV

A alimentação especial dos animais ocorre sempre terça e sexta-feira. Os jabutis e iguanas recebem os picolés às 10h30, o hipopótamo às 11h, as aves ao meio-dia, o carcará às 13h, os saguis às 13h30 e os macacos às 14h30. A coruja e o carcará recebem a alimentação normal às 16h.


O Parque Ecológico Voturuá conta com visitação de terça a domingo, das 9h às 17h. O ingresso custa R$ 2. Crianças até 5 anos, idosos a partir de 60 anos e pessoas com deficiência são isentas. Crianças de 6 a 11 anos pagam meia-entrada.


Logo A Tribuna